quarta-feira, 24 de outubro de 2012

FRASES CÉLEBRES. Executivo significa executar. É por isso que o nosso Executivo nos executa diariamente.





E a divisa do melhor político angolano é: um contra todos e todos contra um.
Sim senhor, finalmente, agora já entendo. Executivo significa executar. É por isso que o nosso Executivo nos executa diariamente. Oh! Como sou tão incompreensível nestas execuções fiscais sumárias.
Nunca tão poucos fizeram tamanha batota eleitoral.
Bom, e a seguir saltarão para onde? É que esta espécie zoológica é assim tipo seita religiosa. Ainda aceito de bom grado as retóricas dos nossos velhos "bonzos" espaventosos e aprendizes do Diabo, os queridos manos intelectuais que têm direitos de suserania nos órgãos de informação petrolíferos. Estes manos são bwé, muito cómicos no circo que é só deles, fazem-me rir bwé. Agora, os manos quando falam nota-se claramente que estão fora do contexto angolano, mais parecem estar num circo romano. Ele s são muito arqueológicos, né?! São um insulto às nossas zungueiras a apregoarem nas ruas da Nova Vida o que têm para venda. São mesmo políticos de gabinete a copiar frases históricas, maus plagiadores, não é mesmo?!
Era um governo muito desgraçado. As pessoas não tinham direito a casas, muito menos a casebres.  E quando tentavam construir algo para se abrigarem, surgia uma matilha de animais ferozes que destruíam a miséria que lhes restava, nunca lhes faltava, se amontoava. E as vidas esvaíam-se sem futuro, na decrepitude da Doença de Alzheimer, a velha Nova Vida em vão do fim da escravidão.
Pode um governo selvagem governar populações civilizadas?
Será doença grave? Epidemia? É que para onde olho só vejo, e antes oiço claro, o serrar e soldar ferros para gradeamentos, paredes a serem partidas que antes em pouco tempo se ergueram. Isto é constante, doentio, louco. O que é que está por trás disto? Lavagem do dinheiro petrolífero?
Num governo informal, com uma população informal, com políticas informais, com uma economia informal, as decisões económicas informais fazem-se em gabinetes informais?
Há partidos políticos que cozinham as suas massas, outros, assam-nas.
Yoga é a arte que fortalece a meditação do espírito, e o álcool é o passaporte para a inconsciência da alma.
Luanda e o terrorismo urbanístico. A arquitecta Ângela Mingas, disse hoje, 19 de Fevereiro, no noticiário das treze horas na RNA – Rádio Nacional de Angola, que o património arquitectural de Luanda foi destruído. Falou das tais centralidades e reconversões que destroem tudo. Ela também referiu a Rota dos Escravos de Luanda, e o tesouro mundial da arquitectura do período 1950 a 1975. E muito especialmente do mercado do Kinaxixi que já era.
A minha questão é: e para quando o julgamento dos mentores da destruição do património artístico/cultural/urbanístico do passado de Angola?
Não existem coisas muito difíceis de entender, o que existe sim são as nossas limitações. De qualquer modo nós procuramos sempre o caminho mais complicado das coisas, quando a verdade das coisas está mesmo ao nosso lado.
Nunca te deixes arrastar na torrente das emoções, porque a tua mente explodirá em aflições, e ao teu redor cairão corações.
Pensamento do dia. Muitos democratas de luxo, pouca sabedoria, pouca ou nenhuma democracia.
Pensamento da tarde. Aquele que conseguiu o poder e despreza, abandona na miséria os que o ajudaram a obtê-lo, de certeza absoluta que acabará em grande tragédia.
Mas, isto dos chineses/vietnamitas montarem oficinas/estaleiros nas traseiras dos prédios não é exagero e origem de tumultos/revoltas, porque parece que ninguém acaba por saber quem é que dirige Angola: os chineses ou o povo angolano? É que não temos direito a um minuto de descanso nas nossas casas? Mas Angola é amarela ou cor de chiocolate?
Uma nutricionista  preveniu na LAC – Luanda Antena Comercial, 28 de Dezembro, noticiário das 19.00 horas, para que nesta época festiva haver o cuidado para que não se coma demais. Ela dirigia-se a quem?
Todos os dias mais ou menos por esta hora, ouve-se o barulho de um chinês nas traseiras de um prédio transformado em prédio-oficina de sobrevivência, dele e de outros chineses/vietnamitas, a partir bocados de madeira surripiados aqui e além para fazerem uma fogueira e nas suas brasas confeccionar qualquer coisa para comerem. Dizem que ele, eles, não têm dinheiro para comprarem gás. Angola é um oásis para tudo o que é estrangeiro sob a bênção dos nossos carismáticos líderes, porque tudo o que é mwangolé, nós já sabemos como é.
Quando o povo começa a pensar, ditadura, corruptos, é bazar.
Sim, sim, nós somos muito especiais porque vivemos sob a liderança de pessoas invulgares.
E o emir de um palácio, do petróleo, de uma guarda presidencial, de uma polícia de intervenção rápida e de milícias ordenou: «Eis as ordens superiores! Que se extingam a energia eléctrica e a água das populações, porque não admito faltas de respeito. Então, só porque não têm água e luz manifestam-se, insultam-me… que já estou quase há quarenta anos no poder?! Sacanas, atrevidos, com a mania das grandezas, do viverem bem no luxo da água e da luz. Amanhã tratarei pessoalmente do vosso bem-estar com as milícias das barras de ferro vão apanhar.» Vivemos como se um terrível octópode nos comande e se alimente dos despojos das nossas vidas?
As milícias dos apagões impõem-nos apagões muito violentos. Os biliões de dólares petrolíferos transtornam as cabeças (?) dos seus beneficiários, o que origina o não fornecimento de luz e água. Ainda andamos nos solavancos do sonho de uma luta de libertação, que é afinal a nossa pior aflição. Mas que futuro muito inseguro nesta pátria de geradores.
Nunca digas: deste petróleo nunca beberei. Por mais que tente já não consigo rir, porque sempre com os mesmos palhaços as anedotas repetem-se, apesar de tentarem lavá-las com outras palavras. De qualquer modo, não havendo novidades, as personagens tornam-se tão cansativas, que é daí que urge o desejo de mudança.
A nossa virtude, no minoritário, é criar problemas à população. Portanto, onde existirem populações um calvário de problemas centralizará sempre com elas.
Em Angola não há corrupção, existem apenas desvios de avultadas quantias monetárias. A apresentação de contas obedece aos mais rigorosos e sãos princípios contabilísticos. Convém salientar que Angola não tem contabilidade organizada. E para a sociedade se desenvolver, o que é necessário é corromper.
Entretanto aproxima-se o dia do massacre eleitoral. Os observadores internacionais, sempre independentes, China, Rússia, Portugal, Brasil, e agora o Irão, etc, etc, testificarão, mais uma vez, que tudo foi limpo, transparente, justo, livre, democrático, etc, etc, e que o minoritário foi o justo vencedor com apenas 99,99 por cento dos votos.
Se qualquer funcionário do Poder decide de moto próprio o que bem entender, que é a situação mais flagrante com a qual vivemos, onde cada um executa a lei a seu bel-prazer, isto significa tão-somente que ainda não saímos do famigerado Poder Popular?
Insistir na manutenção do princípio de que a entidade individual não existe e na intolerância política, de que o partido minoritário é um deus e como tal devemos adorá-lo, é garantir, agitar, que não já um vulcão, mas dois, três, muitos, estrepitarão.
Alguns seres humanos empenham-se com denodo para que as populações tenham bem-estar e felicidade. Outros seres humanos inventam a corrupção e a fraude eleitoral para desgraça das populações.
E o que é que os detentores do Poder projectam? Está mais que visto que não tencionam sair do poder. Eles, com o apoio dos seus amigos estrangeiros organizam eleições por demais fraudulentas para dar a entender que existe democracia, uma fachada, uma fantochada. Quando na realidade o que se projecta é a derrocada da Nação para a maioria esmagadora que luta pela democracia e liberdade, e uma minoria açambarcadora, até as praias privatizaram, que usa a violência para esmagar a democracia. E como essa minoria não atende os desejos democráticos dos espoliados, a maioria, a violência está assegurada por essa minoria. Um país que se quer democrático tem o direito de se defender dos relógios que andam com o tempo ao contrário, para trás.
A função primária de um governo é garantir o fornecimento regular de energia eléctrica e água. Se o não faz, se não o consegue, esse governo é inútil, desprezível, ineficaz, fraudulento. Pai, perdoa-lhe, porque o minoritário não sabe o que faz. Entretanto, para suprir a carência destes preciosos bens, água e luz, o nosso Governo redigiu um comunicado que passo a citar: foram criadas duas empresas de âmbito nacional como segue: a ENDIG-UEE, Empresa Nacional de Distribuição de Geradores, e a ENDAC-UEE, Empresa Nacional de Distribuição de Água em Cisternas.