segunda-feira, 12 de junho de 2017

“ NADA IMPORTANTE ACONTECEU HOJE.”




Ano 2 A.A.A. Após o Apocalipse dos Angolanos.
Ano da diversão da economia com corrupção e sem energia eléctrica. Ano em que a oposição, a UNITA, fez manifestação. Porque até hoje nunca se fez uma manifestação contra a corrupção?

República das torturas, das milícias e das demolições
Diário da cidade dos leilões de escravos

O rei Jorge III foi rei de Inglaterra quando os EUA declararam a independência em 1776. Anotou no seu diário que em 4 de Julho de 1776. “ Nada importante aconteceu hoje.”
X-Files: Os membros da sociedade «Jindungo», Cabinda, foram, na sua origem, agentes secretos do rei do Congo. Recolhiam informações, denunciavam os abusos dos poderosos e faziam abortar qualquer intento de revolta. Cobravam também as dívidas, apresentando-se mascarados na casa do devedor. (Cultura Tradicional Bantu. Pe. Raul Ruiz de Asúa Altuna. Edições Paulinas)
Desgraça, escravidão, miséria e fome, a ementa desta tragédia pronta a servir que nos consome.
Mais um sinal da tragédia: o bispo do Caxito, arredores a norte de Luanda, D. António Jaka, deu a entender na Rádio Ecclésia no dia 02/06/17, que a cidade de Caxito está abandonada pelo governo.
É uma grande tragédia porque só se fala e ninguém faz nada. Mas porque não se faz manifestação contra a grande tragédia? Como que vinda do nevoeiro cerrado a grande tragédia aproxima-se.
Quando os democratas de fingir forem obrigados a fugir, então Angola terá paz, democracia e desenvolvimento social.
“Cuidado com os lobos, vão-te devorar.”
28/05/17, um amigo convidou-me para beber uns finos numa esplanada algures no Miramar. Ao sairmos do carro somos abordados por duas crianças com cerca de oito anos. Não têm ar dessas crianças abandonadas na rua porque apesar de estarem de tronco nu, estão vestidas de calças e chinelos em boas condições. Portanto não estão mal vestidas e o cabelo está penteado, não apresentam ar de abandono. Uma delas fala que a mãe lhes mandou pedir esmola porque não tem dinheiro para lhes comprar comida. Noto que as crianças falam verdade. Queria dar-lhes algum dinheiro mas estava liso, já há sete anos que ando sempre nisso, sem lisura nem transparência. Peço socorro no meu amigo se tem alguma moeda de cem kwanzas mas ele disse-me que não. Entretanto as crianças seguem-nos convictas de que conseguirão alguma coisa para comer, mas um segurança impede-lhes a caminhada e as coitadas correm em debandada. Depois fiquei a refletir que esta cidade é como um mundo-cão, um campo de concentração.
Só loucos é que se deixam dominar por outros loucos ou loucas.
Quem não pensa no dia de amanhã está f.o.d.i.d.o.
Aconteceu no Zimbabué: um pastor arrastou os seus fiéis para verem-no a caminhar sobre as águas como Jesus. Para isso preparou-se durante uma semana onde orou intensamente dia e noite. Na margem do rio onde se preparava para caminhar, alguns crentes advertiram-no que o rio estava cheio de crocodilos. Mas insensível aos apelos dos crentes iniciou a sua caminhada. Logo foi engolido pela água, afogando-se. Três crocodilos atacam-no e pouco depois viam-se na superfície restos das suas roupas interiores e o resto da camisa.
Alguns têm dinheiro para comprar relógios de quinhentos mil dólares, outros, milhões, não têm dinheiro para comprar comida. Isto é, nem a fome se pode comprar. 
Se não parece é, refiro-me à espécie de extermínio que está em curso porque constantemente os vizinhos e outras pessoas falam-me que a irmã, a tia, o irmão e outros familiares faleceram. A última foi de uma amiga que disse que a sua irmã faleceu no Lubango por falta de uma transfusão de sangue. Não parece mas isto está mesmo um morticínio. A corrupção é a bandeira desta nação. A corrupção não manda, comanda.
O Robim dos Bosques continua a fazer muita falta porque um vizinho pagou dez mil kwanzas, agora é assim com todos viva a Idade Média, para pagar as taxas do lixo que sustentam a corrupção, de Janeiro a Abril de 2017, sob a ameaça de que se não pagar não aceitam o pagamento da recarga da energia elétrica. Angola atingiu o auge da tragédia porque sem energia eléctrica não se consegue trabalhar. O tecido empresarial está descosido, desemprego, não há dinheiro, há-o para alguns, a bancarrota é visível, o caos económico é um facto consumado. Miséria e fome são as palavras de ordem que perseguem o exército de famintos. Isto que está a ser feito é para provocar a instabilidade social, tumultos e os inimagináveis assaltos. Mas que grande tragédia.
A promiscuidade é impressionante, ainda se está muito além.
Empresários do petróleo que sem ele não são ninguém.
Divisa do muangolé: Não te preocupes com a vida, ela é que tem de se preocupar contigo. No dia em que alguém em Angola se preocupar com o intelecto das pessoas, os que trabalham e sabem trabalhar, Angola irá avançar. Até lá é esperar no recuar.
Por aqui continua tudo ao contrário: semear para depois colher, não, é colher para depois semear.
Dos erros do passado ressurge a violência no futuro.
O problema não é as eleições. O problema é o votar no partido político que cumpra o que promete.
O viver na actual conjuntura obriga-nos a muitas preocupações desnecessárias. E isso dá-nos cabo da vida. É uma espécie de terrorismo social.
Continuo sem entender porque é que as igrejas intervêm nas eleições. Creio que elas actuam como partidos políticos. Quer dizer que não há separação entre o estado e as igrejas? Como se todos comessem no mesmo prato. Também isto é tragédia.
E está perigoso ficar ou andar na rua porque há quem se acompanhe de cães grandes muito perigosos, e as crianças são sempre as vítimas preferenciais. Se o peso da lei, coitada ela está cada vez mais leve, não se faz sentir sobre tal gente é porque são membros do comité de especialidade dos cães perigosos.
Ao renegar o acorde de Paris sobre as alterações climáticas, Donald Trump não vai criar mais empregos, como o reabrir de minas de carvão, não, vai é encher os hospitais de doentes. Criar um mundo de moribundos em nome do dinheiro.
Pelo que se depreende das actuais reuniões com os chineses, pretende-se que eles entreguem dinheiro tipo de mão-beijada, façam tudo através das suas empresas e os muangolés, como sempre, não fazem nada? Isto cheira a grande tragédia não é?
Tudo se define assim: quem está no poder há mais de quarenta anos, tudo fará para dele não sair, e como é evidente muita violência vai vir. É a isto que se chama também de grande tragédia.
Pelo prato do dia que nos é assiduamente servido, fico com o pressentimento de que as eleições não se realizarão. Digo isto devido à confusão diária que se instalou na arena eleitoral. As dúvidas não param, acumulam-se, até agora nenhuma se solucionou. E isso é motivo bastante para o descrédito que se sente. É o retorno forçado às eleições de 2012? Se for, então teremos o principal capítulo da grande tragédia. Os partidos políticos da oposição apontam as fraudes, a UNITA já iniciou uma manifestação contra, diz que fará mais, inclusive uma chuva de manifestações, nas creio que isso ficará como a última reivindicação verificada com a nomeação da mana Isabel para o cargo da presidência da Sonangol. Tantas manifestações judiciais se fizeram e deu, como esperado, em nada. Os mentores, segundo parece indicar, espero estar errado, cansaram-se ou desistiram. Com as manifestações contra a fraude eleitoral acontecerá o mesmo, se tal acontecer isso é como evocar a grande tragédia.
Entretanto já há relatos que as FAA-Forças Armadas Angolanas travam combates com as milícias da RDC.


Imagem: autor desconhecido