quinta-feira, 29 de agosto de 2013

27 de Julho a 08 de Agosto de 2013 Diário da Cidade dos Leilões de Escravos




27 de Julho
O problema sem solução da nossa democracia é como um comboio que circula sempre na mesma linha, na mesma direcção, sempre com o mesmo velho maquinista que não consegue mudar de rumo.
E eu vi uma boa e bela coisa debaixo do sol dos homens. Toda a minha vida andei errado – é próprio de uma ovelha – afinal na moderna democracia é possível, muito natural ela sobreviver, viver sem democratas e sem partidos políticos, excepto o sempre com um só partido político que governa para além da eternidade, porque as pessoas se revêem nele, pensam como ele, porque sempre protegido, abençoado, eleito por Deus e por todas as igrejas existentes na face da inundação da corrupção da Terra.
Era uma vez um senhor que morava numa moradia rodeada de gradeamentos, porque antes os assaltantes aproveitavam brechas e levavam o que bem entendiam, até chegaram a entrar por uma janela gradeada. Mas quem mais sofria as consequências eram dois carros estacionados no quintal, que eram canibalizados como se piranhas por ali nadassem. E depois da moradia gradeada, mesmo assim os assaltantes entravam pelo gradeamento abrindo nas calmas o cadeado que lá se emblemava. Então, o senhor decidiu-se por reforçar o gradeamento, o cadeado do portão ficou a contento, um portento. Também lá estacionou dois brutos cães, daqueles que à noite desfazem quem deles se aproximar. E o senhor radiante esfregava as mãos e comentava como assunto já encerrado, de processo arquivado: «A partir de agora assaltantes nunca mais!» E nessa noite de céu carregado de estrelas dormiu confiante, de bom sonho e sono, tranquilizante.
Levantou-se ao som dos pardais que lhe invadiam a casa à procura de arroz, ou qualquer outra coisa para debicarem, pois pardal não é esquisito, come tudo o que aparecer. Sorridente, espreitou a manhã que anunciava cores impressionistas. E falou em voz alta como a espreguiçar-se: «Já o sol se anuncia com força, hoje teremos um dia bem saudado, bem iluminado!» E extremamente calmo interiormente e de olhar muito feliz, sorridente olhou para o tejadilho de um dos seus carros onde viu um bocado de papel com uma pedra em cima. Pegou-lhe e leu: «Ó senhor, não vale a pena te armares em esperto, nós quando quisermo6s e nos apetecer te assaltaremos quantas vezes quisermos.»
Digam-me: qual é o Governo africano que ganhou as eleições sem fraude eleitoral?
Jovens! Brevemente estarei convosco na minha auscultação à juventude. A propósito: acham que é necessário, uma vez que toda a gente sabe quais são os problemas dos jovens, então para quê andar para aí a auscultá-los de Kabinda ao Kunene? Mais um subterfúgio para ganhar tempo e para complicar ainda mais as coisas?
28 de Julho
Não dá para entender, mas também por aqui o que há para entender? As zungueiras são corridas por comércio ilegal, e os chineses que exercem actividades ilegais em larga escala - até vendem coisas que são lixo, não servem para nada - de Kabinda ao Kunene, não são corridos porquê?!
29 de Julho
O boato: A kinguila finalmente apanha um dos seus devedores. Depois de caçá-lo cai-lhe em cima, e obriga-o a ir no banco para que ele levante o dinheiro para pagar o que lhe deve. Já no banco, o seu cliente prepara-se para levantar o dinheiro, mas em vão porque o empregado bancário esclarece-lhe que: «Não temos dinheiro porque o Presidente mandou levantar todo o dinheiro para fazer um negócio. Agora, temos que esperar até que os nossos clientes façam depósitos.»
30 de Julho
Luanda já está como os bancos, sem sistema. Totalmente, tolamente entregue nas hordas de assaltantes, dos tais sem direito a pátria, nem a uma sobra das fabulosas fortunas angariadas na lâmpada de Aladino.
31 de Julho
Poluição petrolífera acabou com o peixe em Cabinda, ele fugiu para outras áreas limpas, devidamente ecológicas. In Cristóvão Luemba, Rádio Ecclesia.
01 de Agosto
Neste cemitério de apagões, a energia eléctrica faleceu às 04.00 e ressuscitou às 04.29 horas.
Este ainda é o tempo dos sacrificados, dos mutilados, dos espoliados, dos novos-ricos semeados que depois serão à terra, baixados.
Será possível que em Angola não haja ninguém que resolva problemas? Só existem pessoas cuja única função é complicar?
02 de Agosto
Onze horas e cinquenta e sete minutos. Ouviu-se uma curta rajada de tiros aqui na banda. Significa que alguém já deixou a vida violentamente. 13.03 Horas. Escutam-se mais três disparos.
A marcha dos apagões prossegue como um funeral, assim fomos apagados, enterrados às 17.11 e exumados às 18.12 horas.
03 de Agosto
O nosso jornalismo é alcoólico?
Tem que se manter o rimo da dança da escuridão, e mais uma vez lá fomos espoliados da luz das 13.40 até às 14.32 e pouco depois das 15.28 às 16.51 horas. Viva a negociata dos geradores.
A EDEL esteve sem sistema para compra de recargas do seu sistema chinês pré-pago. Assim durante todo o dia até às 21.30 horas… nada. Estava lá muita gente, como sempre pois é importante manter o espírito que engrandece esta terra, a bicha.
23.28 horas. Ouviram-se seis tiros.
04 de Agosto
E finalmente conseguimos a perfeita organização de um Estado, a saber: afinal um Estado divide-se em três classes: o Poder, os estrangeiros e os assaltantes. No nosso caso temos o Poder do petróleo e de todas as riquezas de Angola. A classe dos estrangeiros que apoiam o Poder – pois claro – pois sem ele não conseguem transferir os dólares para os seus países. E a classe dos assaltantes, os mwangolés, pois quem haveria de ser? Francamente!
Todos os multi-caixas da cidade de Luanda não tem dinheiro só há papéis para as consultas de saldos Micoli Eduardo Gito. Facebook
Outra vez outro apagão: das 21.23 às 21.44 horas.
05 de Agosto
Não é acabando com os terroristas que se acaba com o terrorismo.
As desigualdades sociais intensificam-se, ditaduras ferozes disfarçadas de democracias impõem-nos o ritmo do silêncio da informação – não se lhes pode exercer a mínima crítica – povos inteiros são espoliados, silenciados, na mais atroz escravidão nunca antes denunciada, sob a direcção de potências democráticas que se sustentam no império da corrupção. Povos são submetidos à fome, pedintes dos seus próprios recursos naturais. O analfabetismo aperta o cerco da informação na vã tentativa da eliminação dos democratas honestos, a salvaguarda, o farol da democracia. Está tudo preparado para a descarga social, para o empurrar na pia os usurpadores das nossas vidas. Com tanta miséria nascente, latente, não é pois acabando com os terroristas que se acaba com o terrorismo.
Pelo actual estado das coisas - pode-se dizer que - quantos mais terroristas se eliminarem, mais o terrorismo se fortifica, pois a pilhagem dos povos é o oásis, o maná da sua proliferação. Até a Europa corre o risco de sucumbir no sufrágio universal do terrorismo.
06 de Agosto
As crianças, muitas, invadiram a cantina do “sênê” e roubaram muitas guloseimas, uma razia, e o sênê sem poder reagir, sem fazer nada.
07 de Agosto
Os chineses já estão por toda a Angola, de Kabinda ao Kunene. Como conseguiram? Pelas redes das máfias já montadas? Mas que mais grandíssimos problemas estão a chegar, a ribombar, pois estas coisas são o futuro que não se pode evitar, nos desgraçar.
08 de Agosto
As kinguilas estão muito atentas. Assaltantes andam-lhes no encalço de Moto-rápidas e em carros muito bem vestidos.