sábado, 24 de janeiro de 2015

31Dez-07Jan15. República das torturas, das milícias e das demolições





Diário da cidade dos leilões de escravos

31 de Dezembro
O mistério do desaparecimento da água continua sem desvendar. Se ao menos tivéssemos um bom detective para esse e outros casos, mas não, não dá, porque a massa cinzenta é coisa que há muito aqui não existe. O certo é que não se sabe do paradeiro da água. Não tarda muito e outra epidemia de cólera se celebrará. A irresponsabilidade é um facto celebrado.
O futuro desta nação: A juventude que nada sabe fazer, – conforme os ditames da mais alta magistratura - além de se encharcar em álcool protagonizou mais um infausto acontecimento. Toda a noite na bebedeira com festa patrocinada por gigantescas colunas de som musical colocadas no passeio da rua. Aquele som que faz estremecer portas, janelas, vidros, como num tremor de terra, e acabou em violência – como sempre – porque uma jovem conseguiu seduzir o marido da outra. Aquilo é que foi confusão alcoólica, e a jovem lesada, traída pelo seu marido decidiu chamar a Polícia. Não demorou muito, vieram duas equipas motorizadas mais um carro patrulha que logo tomaram conta da situação. Eram 10.43 horas, os polícias acabaram com a barulheira e carregaram com alguns alcoólicos para a esquadra. Silêncio total e abençoado, mas às 12.05 os alcoólicos ressuscitaram das cavernas e o infernal barulho e o álcool prosseguiram invencíveis. Mas não por muito tempo porque os moribundos do álcool já não aguentavam mais.
Na Vila Alice, escritório de portugueses assaltado: esse escritório serve de pernoita para portugueses. Os assaltantes chegaram, parece que três, e facilmente imobilizaram o segurança que estava a dormir, – se calhar já há alguns dias por falta de renda o que é tristemente vulgar nesta área de serviços – algemaram-no e abandonaram-no no interior de uma viatura. Depois de saciados, roubaram tudo o que quiseram dos portugueses, na retirada passaram pelo segurança e acabaram com ele a tiro, tipo, (sic) você é mesmo burro, então proteges os brancos?!

ANO 2015

01 de Janeiro
Dia de ano novo parece mas não é, porque dependemos de um deus que faz de todos os dias anos muito velhos que não se podem substituir porque dependemos de pessoas insubstituíveis. Este será, acreditem ou não, o ano e seguintes da mais horrível história de Angola, porque qualquer voz que ouse criticar este nosso outro deus Maia, será imolado no altar da pirâmide e o seu coração arrancado e entregue ao nosso deus sol.
Angola é como uma ilha onde os piratas de todo o mundo se refugiam. Neste aspecto é uma ilha muito acolhedora, pois todos os tesouros dos assaltos são bem recebidos e muito encorajados e em sacos do secretismo escondidos nas caves dos poços de petróleo.
Às 13.48 horas. Brent 57.33, crude 53.27 dólares. Coitados dos que não sabem pensar e só sabem armas disparar.
02 de Janeiro
Não entendo, melhor, entendo muito bem: como é que a China é uma potência económica mundial se os seus produtos de exportação são uma boçal vigarice! Isto ocorreu-me porque há pouco, ao pendurar uma toalha para secar, as molas chinesas partiram-se. Ninguém nos livra da propaganda comunista!
A mana Joana disse que nos bairros, antes de dormirem rezam para que não sejam assaltados, porque os bandidos são demais.
03 de Janeiro
Brent 56.03$ (-2,29%). O preço do barril referência para as importações nacionais volta às quedas depois de ser conhecido que a Rússia e o Iraque (segundo maior produtor da OPEP) registaram em Dezembro o maior nível de produção de petróleo em décadas, acentuando a percepção de que há excesso de oferta no mercado. O barril atingiu hoje o valor mais baixo desde Maio de 2009. In Diário Económico.
04 de Janeiro
E eis como esta religião do banditismo do petróleo destrói Angola, os angolanos, a África e o mundo. “Angola continuará a trilhar pela senda do desenvolvimento, graças à experiência e ao bom desempenho dos seus dirigentes.” Extrema sabedoria do padre Fernando Gomes Tchimo - pároco da sé catedral da igreja católica no Bié. In Angop
As Testemunhas de Jeová andam de porta em porta – tipo recenseamento eleitoral religioso – a espalhar que as pessoas maldosas são os filhos concebidos pelo demónio.
05 de Janeiro
12.47 horas. O brent está a 56.42 e o crude a 52.69 dólares.
12.51 horas. Aqui na banda circula-se à vontade. Parece um domingo, o trânsito automóvel está desafogado. Os estrangeiros ainda continuam de férias, o que prova que Luanda está dominada, é deles.
Na TCUL - Transportes Colectivos Urbanos de Luanda, os trabalhadores há três meses que sofrem a intolerância salarial. Não lhes pagam e nada adiantam como satisfação.
06 de Janeiro
Agora já é caso para dizer, isto é, para cumprimentar: Como é meu? Como é que vai esse brent?
E o brent está a 53.11 e o crude a 50.04 dólares às 12.03 horas.
O fim das ditaduras do petróleo aproxima-se a alta velocidade. A repressão – a alma da loucura – será muito intensa, horrível, mortal, como as fanfarras que só os ditadores sabem compor.
O fecho do jornal Angolense, que por este andar veremos Angola com a informação definitivamente encerrada, tal como mandam as exemplares regras do salutar jornalismo do comunismo primitivo: “O jornalista acredita que esta é mais uma medida para silenciar a imprensa no país.  "Significa que neste momento o único jornal privado e independente que sobrou  é o Folha 8, de William Tonet. O MPLA pretende nos impor a ler só o Jornal de Angola, que eu considero de Pravda, a Rádio Nacional de Angola, que é a rádio Moscovo, e a TPA, autêntica televisão soviética". Segundo Nkondo, “os ditos privados como a rádio Despertar, da UNITA, e rádio Eclésia, da Igreja Católica fazem a mesma coisa com listas de pessoas proibidas de falar, como eu próprio que estou proibido de falar na Despertar e na Eclésia" In VOA
07 de Janeiro
Luanda. Incrível… há 34 dias sem apagões na rua das Sirenes. Tal nunca aconteceu em quase 40 anos. Esse milagre, esse “feitiço” deve-se ao ministro, João Batista Borges, do ministério da Energia e Águas, na minha opinião, o único ministério que funcionou em 2014.
Às 09.57 horas. Brent a 51.10 e crude a 47.93 dólares. Já há muito que se previa este colapso, mas como quem não pensa, ou ainda diz que a nossa economia está diversificada, que a agricultura está bem lançada, na realidade está bem estragada, como se fosse possível de um momento para o outro a agricultura começar a dar frutos. Só que o problema é que isso não é como o petróleo que jorra diariamente e os lucros caiem nos esconderijos dos feitiços deles.
E na França, na sua capital Paris, no jornal satírico, Charlie Hebdo, já vai em doze mortos e mais de uma dezena de feridos devido a um ataque terrorista. Dois polícias e os restantes são jornalistas. Significa que o Islão do terror pretende eliminar quem lhe critique ou que pense de maneira diferente. Para alcançar o poder e nele se manter eternamente através da política do terror é a imundície ditatorial que prevalece. Quer dizer, impor a selvajaria através da lei da bala e do rebentamento de explosivos é a aposta dos actuais estados totalitários. Mais guerras santas aí vêm, mas desta vez são bem claras. A liberdade de expressão do jornalismo e, claro, da democracia estão em causa. E a liberdade de expressão e a democracia sempre vencerão. Creio que actualmente a profissão de jornalista é a mais perigosa do mundo. Creio que isso é o costume da apresentação mundial dos intensos conflitos que já se observam. Onde há ditaduras ferozes ou não, lá está para cada jornalista o seu caixão.

Imagem: autor desconhecido