sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O super-homem está em Angola





O super-homem veio de outro planeta
Aqui em Angola aterrou, se fixou
As nossas TVs contam-nos cada treta
O nosso super na miséria nos deixou

Super-homem que usurpou o poder
De mais uma extraterrestre constituição
Quem se manifestar é para se prender
Nos cuidados intensivos da inquisição

Jornalistas têm os minutos contados
Os do super-homem são abençoados
Os do Charlie Hebdo amaldiçoados
Torturados, massacrados, imolados

40 anos sob o jugo dos homens da mata
Nos preços do petróleo altos é esbanjar
E qualquer um sabe governar
Quando os preços baixam sê primata

Não sei, há alguém que me sabe explicar
Não consigo ver o que é isso de oposição
Não consigo essa música fúnebre cantar
Estou tão abismado com essa aberração

O petróleo dos sábios da destruição
Dos salteadores do petróleo da nação
O petróleo é o nosso melhor amigo
Mas fizeram-lhe o nosso pior inimigo

Os preços desabam de tanto subir
E esta merda vai implodir, explodir
Os mwangolés são incompetentes
Porque não têm chefias competentes

E os chineses é que vão nos mandar
E nós só nos resta, vamos se revoltar
Isto vai ser uma grande chinesada
Apoiada, abrasileirada, aportuguesada

E depois da pesada e violenta artilharia
Vem o petróleo com a sua infantaria
Desmontar, decretar o que é patifaria
E se necessário, a reserva da cavalaria

E nesta miséria de condição
Até quando nessa imposição
Nos libertaremos da situação
Dos 40 anos da maldição

Não sabem da gravidade da situação
E do poder da eterna perpetuação
E por este cavalgar
Os chineses me vão também medalhar