quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

06-12Fev15. República das torturas, das milícias e das demolições





Diário da cidade dos leilões de escravos

06 de Fevereiro
A malvadez dos detentores das riquezas do petróleo, dois mwangolés: «Já recebeste o teu salário?» «Ainda não, ainda estão a pagar nos brancos.» Faz-se silêncio na tarde do calor do poder ultrajante, sufocante. Carros de luxo conseguidos com a corrupção do petróleo desfilam como numa passagem de modelos. O mwangolé que perguntou pelo salário fica com ar sombrio e exclama: «Olha, alguns dos meus colegas amanhã não vão trabalhar porque não têm dinheiro para pagar o táxi Hiace para o Talatona.
O descalabro do Eldorado: Cerca das dez horas, no minimercado Pomobel na rua rei Katyavala: um português aí com trinta anos de idade entra no estabelecimento, tira um bolo e começa a comê-lo com avidez. Uma empregada chama-o: «Ó senhor, ó senhor, então não paga?» O português não responde, apesar de mais tentativas de outras empregadas. Acabou de comer o bolo e finalmente fala: «Quero água!» Uma mais velha presente condói-se: «Dêem-lhe a água porque Deus está a escrever isto no livro Dele.» E o português foi-se embora sem uma palavra.
07 de Fevereiro
É muito triste ver os mwangolés sem emprego, e agora com o desastre do petróleo mais são abandonados, desempregados, e os chineses aqui facilmente conseguem empregos. É muito triste!
Mais uma aberração angolana: o chinês continua a serrar bocados de madeira, de ferro, de chapas de zinco e sucatas que apanha no lixo. Porque até agora não foi possível encontrar um angolano que saiba executar esse serviço.
Na rua da Liga Africana, no passeio da loja de moda Bata, a quase centenária árvore desabou porque os mwangolés não tendo onde fazer as suas necessidades, fazem-nas como os cães, nas árvores. Será uma reacção em cadeia?, uma vez que as árvores estão assoladas pela urina dos “cães” mwangolés?!
Muito, muito estranho: o FMI diz que Angola deve aumentar os impostos – a receita habitual – e retirar os subsídios aos combustíveis. Mas não ousa dizer para Angola acabar com a corrupção. É que com corrupção não há receita que funcione.      
08 de Fevereiro
Do Elpaís: na RDC, em Kavumu, na província de Kivu do Sul. “Não param de violar as meninas de dois e de três anos. Depois de violá-las e agredi-las fisicamente, são devolvidas ao lugar com graves e dolorosas feridas. As idades das vítimas oscilam entre os quatro meses e os 17 anos. No Congo, as violações são práticas comuns da magia negra; no Uganda são frequentes as mutilações de órgãos e o canibalismo; e na Tanzânia, os sacrifícios de albinos. Para eles, o sangue das virgens lhes limpam de enfermidades como o VIH e lhes libertam da esterilidade; o sangue provê-lhes riqueza e trabalho ou a subida de posição e do estatuto no caso de militares e de polícias; e inclusos os maimais [rebeldes da zona] guardam em pequenos recipientes o sangue e se untam em tempos de guerra, evitando que as balas os atravessem.”
Com todos a roubarem e na trapaça nacional, Angola nunca será um país, será a terra prometida dos cambalachos.
09 de Fevereiro
José Laranjeira: “Quem estará a falar verdade Norberto Braga? O BNA diz uma coisa e os Bancos dizem outra...”
A austeridade é a receita ideal para fabricar terroristas.
E na TPA ouvi que algures em Angola estão cem mil chineses. Logo pensei que isso significa que são cem mil desempregados angolanos. Os novos saqueadores de Angola cumprem a sua nobre missão.
Um bom pastor evita que o seu rebanho vá para o precipício. Mas como temos muitos maus pastores é por isso que temos muitos precipícios.
Nomear um ministro só porque esteve no FMI, isso não prova nada. Não é isso que nos tira da miséria.
Quando tudo depende de uma só pessoa, é isso que se chama ditadura.
10 de Fevereiro
Angola vive momento de grande estabilidade política e social. José Eduardo dos Santos.
Uma modesta opinião: para sair da crise têm que deixar de agir e pensar como comunistas. E os corruptos, os responsáveis pelos nossos sofrimentos, a fome final já está aqui, que sejam de imediato detidos e levados a julgamento e os seus bens confiscados. Mas não é possível porque ainda não estamos num país normal, onde a oposição não passa de um sonho, e as garras dos chineses são bem visíveis, medievais.
As quitandeiras já dizem que vamos morrer à fome porque a caixa de carne entrecosto estava a 3.200 agora está a oito mil kwanzas. A caixa de frango e de costeletas de porco congelado também. A caixa de febras estava a quatro mil kwanzas agora está a dez mil. E os clientes fogem do campo da exterminação de Luanda.
Já me contam relatos sobre os salteadores do petróleo, posso dizer incríveis, que prenunciam a tragédia trágico-petrolífera que se aproxima. Já estão a roubar no dinheiro dos salários dos seguranças.
Será?! Norberto Braga: “É preciso por ordem na casa! Os bancos comerciais estão a cativar os dólares. Os gerentes estão a fazer negócio com os dólares. Eles pedem bilhete de passagem para provar que o cidadão vai viajar. Formalizam o pedido, a remessa solicitada é atendida, porém a corja cativa as divisas e comunicam ao cliente que o pedido ainda não foi atendido por falta de divisas. O cliente vai embora. No entanto, os malandros, executam a operação (uma vez que estão na posse da cópia do bilhete de passagem do coitado). Canalizam os dólares para o circuito que já anda bem montado. É vendido pela porta do cavalo a um valor altíssimo. Retiram o lucro e ficam a caça da próxima vítima. É assim que eles trabalham... Cambada de impostores!”
Há três dias que três geradores monstruosos instalados na zona da Liga Africana, de um prédio com doze andares, desses do luxo do petróleo brent, não param de funcionar, além do barulho, parecem turbinas a jacto, e da poluição. Esta cidade é dos delinquentes da rua e dos delinquentes do petróleo. O consumo do combustível dos três gigantescos geradores quem o paga? Está subvencionado, só pode. Viver com monstros disfarçados de pessoas não dá. Isto vai ficar uma chinesada daquelas.
11 de Fevereiro
O português vem com um segurança mwangolé gorila e encontra um lugar livre para estacionar o seu carro. Mas um mwangolé já antes o tinha sob mira e prepara a manobra de estacionamento do seu carro. O português valendo-se do seu gorila, que salta do carro e brutalmente grita: «Vai para o caralho!» O mwangolé pára, sai do seu carro e retruca: «Estás a falar com quem!?» E não se intimidando com a presença do gorila prossegue elevando o tom de voz esgrimindo os seus argumentos. O povo vai passando e a contenda observando, vai-se amontoando. O gorila já estava refugiado no carro do seu amo domador a dirigir, pronto para partir, fugir. A aglomeração de pessoas tornou-se um veredicto desfavorável, imperdoável. O português e o seu gorila aceleraram e marcharam, de uma grande surra escaparam.
12 de Fevereiro
O ouro está a 1.219.00, o Brent Crude Oil a 54.66 e o WTI Crude Oil a 48.84 dólares. Coitados dos que só sabem governar com os preços altos do petróleo, porque quando os preços baixam, baixam... não sabem governar. Isto não pode continuar assim, com o governo dos homens da mata, não podemos continuar dependentes de generais.
Agora também a Internet? Das 14 horas do dia 11 até às 13 horas de hoje ficámos sem Net. O que se passou? Ninguém sabe, como é de norma. Será da baixa dos preços do petróleo? Os chineses estão lá? Há quem costume bem governar na desgraça de uma nação. E os chineses são hábeis nisso.
Miriam Almeida: “Deve ser deve... com tudo o q tenho visto já cheguei à conclusão q o BNA n manda nada aqui, se mandasse os bancos n estavam a ter a atitude deplorável q têm com os clientes.”
Para a oposição: a política não é para pessoas medrosas.
A irmã da mana Antónia é cega e vende rebuçados. Os gatunos chegaram e roubaram-lhe o saco dos rebuçados. Deram-lhe cabo do negócio da fome.
Se chegou a hora de sermos criativos, significa que em quarenta anos de Angola nunca houve criatividade. O petróleo caía, - cai – do céu e fazia – faz - inferno.