quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Com presos políticos “a situação política e social é estável”



África o continente dos escravos
Kwanza a moeda dos escravos
A fome alimenta os escravos
Não há futuro sem escravos

Ludibriar os escravos com o carnaval
Não tem maka, não tem nada de mal
É assim neste paraíso da África Austral
Nesta nação que está um lodaçal

Ah! Até da fome fazem carnaval
E da miséria um ritual
E dizem que nada está mal
Até a invasão do lixo é normal

Os famintos surgem como numa aparição
São exércitos da fome da rebelião
Dos desempregados sem um tostão
Quando acaba esta escravidão?

De país mais rico ao mais miserável
Eis a escrava condição
Do passar ao país mais instável
Da perda de identidade de nação

Matar o povo à fome é libertar
Não há garantias de como o salvar
Quarenta anos nada há a esperar
Dos que nunca souberam governar

Da agricultura e dos seus planos
Nada se fez em quarenta anos
Restam os farrapos, os panos
E as quinquilharias dos ciganos

Todos os dias os preços sobem sem parar
Vendem-nos a fome que podemos pagar
Assim a população matar
Sem levantar um dedo para a salvar

Perdemos a esperança em dias melhores
São muitos erros isso não é humano errar
Dos vitoriosos dos piores entre os piores
Do petróleo que serve para nos trapacear

E na fome vamos esperar sentados
Já não dá para acreditar mais
Terríveis dias esperam os supliciados
Desta podre nação e dos seus vendavais

Os próximos dias são de grande incerteza
Pois estamos abandonados à nossa sorte
Mas já adquirimos a certeza
De nos defendermos da imposição da morte