sexta-feira, 8 de maio de 2015

O Estado da democrática cleptocracia



Angola já depende dos chineses, normal
Outra aberração colonial
Bem governar é a população dizimar
É para queimar

Sobem os preços mas não há dinheiro
Neste Estado cangaceiro
Os escravocratas chineses sem misericórdia
Mais uma mixórdia

O chinês tem ordem para escravizar
E os angolanos lapidar
O aprendiz chinês é técnico e engenheiro
Nas obras à sapateiro

A Mana Isabel gasta o dinheiro nos bancos
Dos brancos
É por isso que Angola está sem dinheiro
Sumiu para o estrangeiro

A TVCabo também já está na desgraça
É só trapaça
Neste Estado qualquer um é trapaceiro
Administrativo e financeiro

A água, a água… os chineses desviaram-na
Para a China levaram-na
A banca está desconjuntada como compete
A desgraça promete

Os chineses abusam, escravizam crianças
É o plano das matanças
Nesta república do todos a roubar
Nem um kwanza vai sobrar

A Arábia Saudita tem astronómicas reservas
E Angola nem latas de conservas
O petróleo subia, subia, futuro radioso
O petróleo desce, desce, futuro perigoso

Outra vez colónia, Angola é chinesa
E também da princesa
Para eles há sempre riqueza
Para nós há sempre pobreza

Com tanta vigarice e corrupção
De certeza os investidores fugirão
É que isto é demais, é muito ladrão
Sem alicerces, nada, não há nação

O ensino é o garante da prostituição
Elas abrem as pernas aprendem a lição
Tiram boas notas recebem gratidão
Eis os futuros quadros desta sem nação