Vai para três meses que Luanda está sem energia elétrica. Entretanto, há quarenta e dois anos os que governam por direito de sucessão apostam na diversificação da economia… sem energia eléctrica. E o fumo do gerador do banco millennium-atlântico na rua rei Katyavala mata-nos. Em Luanda, matar é facturar.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

SITIADOS



REPÚBLICA DAS TORTURAS, DAS MILÍCIAS, DAS DEMOLIÇÕES E DAS FRAUDES ELEITORAIS

DIÁRIO DA CIDADE DOS LEILÕES DE ESCRAVOS


Ano 2 A.A.A. Após o Apocalipse dos Angolanos.

Oposição que se lamenta não nos sustenta.
Angola a arder e os Neros a ver.
Quem é que já ouviu um discurso semelhante a este? “Possuímos hoje uma poderosa Wehrmacht, (forças armadas) no coração de uma Alemanha poderosa, porque a Providência nos deu um chefe de uma energia inquebrantável. Nesta hora solene, queremos assegurar ao nosso Fuhrer que a Wehrmatch, na totalidade, executará sempre as suas directrizes com tanto ardor como audácia. Partistes com a ordem de combater, voltastes com a certeza de serdes vencedores!” (In Hermann Goering (1893-1946), comandante nazi da Luftwaffe (força aérea) na Segunda Guerra Mundial. Grande Crónica da Segunda Guerra Mundial, Selecções do Reader’s Digest)
E em 2017, as eleições foram geralmente não livres, não transparentes e injustas. Por aqui facilmente se vê quem foi o vencedor.
Há mais de quarenta anos que os sitiadores obrigam os sitiados às mais depravadas privações. Pelos vistos este será o último ano em que os sitiados devido à fome se renderão sem condições. Sitiados, estamos a ser devorados pelas feras tal como se fez com os cristãos nas arenas romanas.
Amiga do álcool não é tua amiga, não é tua namorada, nunca poderá ser tua esposa. Amiga do álcool é tua inimiga.
A imposição do terror pela acusação de feitiçaria periga as vidas porque de livre-arbítrio qualquer inquisidor acusa quem bem entender de feitiçaria decretando-lhe morte imediata. Viver com tal terrorismo é mais um abismo que engole Angola.
Não é possível viver com pessoas que gostam de viver no sofrimento.
E depois da destruição da economia resta ao exército de famintos como derradeira sobrevivência, a venda do que for possível nas ruas. Mas de todo o lado surgem feras humanas que intitulando-se de guardiãs da ordem pública, saqueiam e matam indiscriminadamente e impunemente como entretenimento nazi do tiro ao alvo. Este país é obra de carrascos.
 E lá no céu, os anjos fizeram manifestação contra Deus, porque Ele há muito que abandonou Angola, abandonou o mundo, deixando tudo ao deus-dará.
Angola, onde qualquer pega numa bíblia abre-a ao acaso e logo é chamado de pregador, mais um enviado de Deus, mais um demónio para destruir Angola.
Onde reina o analfabetismo é muito fácil reinar, é demasiado fácil matar. Fazer ver a um analfabeto que a sua postura está errada, é como dizer a um fanático que quem nos governa não foi eleito por Deus.
Não havendo dólares, não há importações, pois tudo vem de fora, e não havendo importações não há kwanzas.
Angola parece ser o maior produtor mundial de bandidos. Angola tem tudo pela negativa e nada pela positiva.
E como esta cidade dos leilões de escravos está infestada de geradores, quantos mais prédios arderão, como aconteceu com o prédio da Ecil na Marginal de Luanda? Quantas mais residências sucumbirão de presente às chamas? Quantas mais pessoas morrerão? E se também os ministérios começarem a arder? Ainda não é chegada a hora de checar as instalações eléctricas? Pois, no caos instalado a desgraça alastra rapidamente, como se Luanda fosse devorada pelas chamas de geradores. Até parece que estamos governados por piromaníacos. Com a utilização desordenada de geradores, sem normas de segurança de instalações eléctricas, cada um faz de electricista improvisado, poluição sonora e ambiental, gastos de combustível não programados que conduzem à ultra miséria, Luanda vai desaparecendo. A miséria e a fome não mandam, comandam. Parafraseando José Afonso: a miséria e a fome é quem mais ordenam dentro de ti ó cidade.
É necessários que nos libertemos da actual política sem política dos partidos políticos da oposição, porque isso não nos leva a lado nenhum. Política titubeante que reforça o partido no poder, e que facilmente se vê vai ganhar as eleições. Na verdade não há oposição, há submissão.
Todos os apoiantes da corrupção, quando a justiça chegar, ela lhes será implacável, das grades não escaparão, os honestos libertadores virão.
Se tudo é controlado pelo Estado, então não há liberdade, e a democracia anda muito afastada, há muito renegada.
E um decreto-lei sobre o acto de pensar será publicado.
Eles nos palácios e nos castelos fortificados, e nós às feras que eles criaram lançados.
Amigo leitor, preciso que alguém me explique como é possível viver normalmente com um exército de famintos. É o inferno, afinal o inferno existe sim senhor. E Luanda é a capital do inferno de Angola.
E com a aprovação da Lei de Imprensa, a cortina de ferro renasce e cai sobre Angola.
Quando tenho coragem de assistir a um noticiário da Tpa, fico a pensar como é possível gozar com as pessoas, utilizando a desinformação como nos tempos mais ortodoxos do comunismo.
Em Angola as portas da corrupção nunca se fecham, estão sempre com sistema, funcionam 24/24 horas, porque há uma grande azáfama e os corruptos nunca se cansam, e a corrupção também não. Entretanto reforçam-se as medidas contra a honestidade. Mas levianamente os corruptos defendem-se que a corrupção existe em todo o mundo, à escala planetária. A corrupção tem muitos caminhos, a miséria e a fome têm apenas um. Os maldosos têm o extermínio que merecem. Desgraçada Angola e África negra onde até a merda de uma sarjeta também é poder. Pergunta a um corrupto como é que ele conseguiu o dinheiro, ele fica como um padre quando se lhe fala de Voltaire (1694-1778).