segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O IMPOSTO DA CORRUPÇÃO




República das torturas, das milícias, das demolições e das fraudes eleitorais
Diário da cidade dos leilões de escravos

Ano 2 A.A.A. Após o Apocalipse dos Angolanos.

O imposto da corrupção é os corruptos meterem-nos as mãos nos bolsos.
Muitas crianças vão ficar fora das escolas porque os seus pais não têm dinheiro para pagar o imposto da corrupção.
Aqui na banda ser patriota é ser corrupto.
Muitas promessas, falsas expectativas.
A questão da miséria e da fome resolve-se com fortes investimentos – as tais apostas, como se um país fosse um jogo de futebol – na repressão e todos atirados para as prisões superlotadas.
Onde os intelectuais demagogos abundam, as populações perdem a esperança e deixam-se arrastar docilmente por ditadores, porque não têm outra saída.
Enquanto os carneiros pastam, os corruptos se repastam.
Entretanto, outros Hitleres espreitam para tomarem o poder de assalto.
São 08.30 horas do dia 01 de Fevereiro, uma quarta-feira. Da varanda observo o trânsito automóvel. Comparados com o trânsito de alguns anos anteriores, na rua os carros estão muito reduzidos nos dois sentidos. Antes o trânsito ficava muito congestionado e os carros ficavam como que colados uns aos outros e agora movimentam-se à vontade, sem constrangimentos, como se todos os dias fossem domingos.
E naquela casa um terrível demónio, são tantos que já nem já dá para os contar, conseguiu infiltrar-se e tudo destruiu. É que nem as crianças escapam. Claro, elas são sempre as principais vítimas.
Esta é a era em que os idiotas abocanharam o poder, porque a oposição ainda é uma criança que mal sabe andar.
Creio que se não se consegue resolver a questão do lixo, então não se consegue resolver nada.
Há dois FMIs, um para os países civilizados e outro para os países subdesenvolvidos, isto é, incivilizados.
Miséria e fome, eis a grande aposta do governo.
Do Novo Jornal: “Lá se foram os tempos em que o negócio de imóveis em Luanda era de grande lucro. Não é difícil ver numa esquina da capital edifícios, apartamentos e moradias às moscas. Um autêntico pesadelo para quem investiu milhões para "fazer" dinheiro com arrendamentos.” “Trump na presidência dos EUA deixa a humanidade mais próxima do Dia do Juízo Final.” (Surrealismo empresarial): “Empresários angolanos unem-se em confederação para criar "mais segurança, estabilidade, emprego, negócios e divisas"
Mas que notável paradigma: Quem constrói é condenado, quem destrói é louvado.
Construam uma muralha que seja suficientemente robusta para se defenderem dos hipócritas. Essa muralha tem que ser constantemente reforçada, porque dela depende as nossas vidas.
O meu maior receio é ouvir antes ou depois da meia-noite, os gritos de terror de crianças e ficar de mãos atadas sem poder fazer nada para as salvar.
Uma patética oposição: um grupo de intelectuais elitistas onde quem discorde não tem direito a opinar, porque eles são os únicos. Uma cabala política.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              
Ameaça dos bandidos no bairro Augusto Ngangula, Quicolo, Cacuaco, arredores a Norte de Luanda: Numa carta deixada à porta de uma casa, “ quem não tiver dinheiro vamos matá-los todos!” E no assalto a uma residência como lá não havia dinheiro acabaram com a vida de um infeliz cidadão de quarenta e dois anos com dois tiros na cabeça. Eram três horas da madrugada quando um vizinho foi ao posto policial próximo, quatrocentos metros, mas não estava lá nenhum polícia. (Rádio Despertar)
Dos noticiários: na Nigéria, grupos terroristas estão a usar bebés com bombas. Creio que isto está muito para além do terrorismo. Creio que isto é inqualificável. Qual é o castigo que tais demónios sanguinolentos merecem?
Num folheto de propaganda da Unita lê-se que, “ O Governo da UNITA definirá um Salário Mínimo, em moeda nacional, equivalente a USD 500,00 (quinhentos Dólares americanos) ”.
Pais, mães e outros familiares, parece que não mas as crianças têm muitos inimigos, e o seu inimigo principal, por incrível que pareça... é o ser humano. Redobrem de cuidados com os vossos filhos sobretudo na época escolar que se inicia. Nos passeios, são os irresponsáveis, loucos, que andam de bicicleta ou de mota como se circulassem na rua, aqui as crianças são um alvo muito fácil. E também os cães que ao se soltarem das mãos dos seus donos dilaceram as pobres criancinhas indefesas. E também dos muito altamente perigosos raptores e pedófilos. E dos feiticeiros que mandam os seus clientes violentarem crianças para que fiquem imunes à Sida, ou para ficarem ricos. E também da legião de malucos que cresce assustadoramente.
Quando tudo se faz com violência, é um recuo de séculos, de milénios, até às origens mais obscuras antes da civilização.
Cólera já está nas províncias de Cabinda, Zaire e Luanda, o que significa que a população continua abandonada, obrigada a viver como na Idade Média, onde o lixo se atirava a esmo para a rua. Conviver com o lixo era a coisa mais natural, mais normal.
Ainda do Novo Jornal: “O Governo australiano está a desaconselhar viagens de cidadãos nacionais para as províncias angolanas de Cabinda, Lunda Norte e Lunda Sul, devido ao "alto risco" de agitação civil e violência, alertando ainda para a presença do vírus Zika. (que também se transmite por relações sexuais) ” “O antigo primeiro-ministro angolano Marcolino Moco considerou hoje, em Luanda, que "não poderá haver alternância, mas sim sucessão" em Angola, por estar instalado "um regime monárquico" no país.”
Libertar um país da colonização e atirá-lo para a escravidão e repressão, isso é a mais negra opressão.
Há demasiados políticos, doutores, economistas, advogados, engenheiros não, e com isso o imposto da corrupção se fortalece.
Entretanto, Isaías Samakuva, dissertando sobre a fraude eleitoral promete que, “vamos tomar medidas drásticas.”

Imagem: Quintiliano dos Santos. Novo Jornal.