sábado, 15 de dezembro de 2012

E WILLIAM TONET NÃO É ADVOGADO?




Então o que se pode dizer de um "Juiz" Adão Damião?
O julgamento dos 21 de 3 de Setembro 2011, foi feito por este sr.
Segundo se consta só acabou a licenciatura de magistrado este ano 2012... O Dr Wlliam Tonet foi um dos Grandes Advogados que nos defenderam assim como Luís Nascimento e David Mendes. Os nossos Dirigentes andam todos loucos??? In Ermelinda Freitas. Facebook
Nesta república dos latifundiários, as vestes do Poder estão em retalhos.
Sabem uma coisa? A miséria não é uma derrota adquirida, é sempre uma conquista do Poder. E assim se constrói miséria.
O problema de Luanda? É que são muitos a destruir e quase ninguém a construir.
Produzir mais para destruir melhor.
A água e a luz/ estão a acabar/ nas torres e palácios/ a jorrar, a iluminar. E tudo o que se vende/ por aí, não vês?!/ é contrafacção, clonagem/ do chinês.
Tudo o que é imposto pela violência, só lhe resta a recordação do que não é educação.
É preciso esclarecer de uma vez por todas que o partido no poder não ganhou as eleições. Ele ganhou a fraude eleitoral.
“A sorte protege os audazes”, e o azar persegue os angolanos?
Isto é como se costuma dizer na publicidade das agências de turismo: “Visite a África no seu estado selvagem.” Em Luanda mais selvagem do que isto é impossível. Luanda é tão selvagem, tão selvagem que até um médico abandonou o seu doente por motivos políticos. O doente é da oposição, e o médico é do comité de especialidade dos médicos do, claro que não preciso dizer o resto.
Manos e manas! Isto não é política, mas sim, uma oposição de escravos com um capataz sempre de chicote em punho.
É incrível como apenas uma família chama a si todas as riquezas de Angola, e a cada dia consolidam as suas posições de guardiães dos seus tesouros, como é agora o agarrar do fundo soberano do petróleo por um dos filhos de Zeus. Aqui e ali ouvem-se as habituais vozes de discórdia, não passam disso os escravos de serviço. Nem a mais leve manifestação conseguem mover. O futuro de Angola e da África é a podridão?
O Minoritário deu ultimato aos partidos da oposição para retirarem a sua propaganda política espalhada por Luanda, e o Minoritário não retira a sua propaganda porquê?
Em Luanda não existe o amanhã
A política de apagões é a obra-prima do Minoritário.
Campanha nacional de apagões.
Com os apagões a energia eléctrica é mais fiável.
O Minoritário promove desde há secular tempo a campanha nacional de apagões. Adquira desde já o seu exemplar, isto é, o seu apagão. O Minoritário criou para tal empreendimento, o comité de especialidade dos apagões, com uma estrutura muito bem organizada, a única no seu género que só funciona em Luanda, claro. O Minoritário diz que existem boas hipóteses de exportação, outra mais-valia, mas até agora nada. Quem desejar contemplar-se com um apagão basta contactar, até que não é necessário, mas como o Minoritário tem responsabilidades acrescidas, com o tal comité, que o Minoritário de imediato satisfará o seu pedido.
Viva a campanha nacional de apagões do nosso (?) Minoritário!!!
Honra e glória ao actual guia imortal dos apagões!!!
Viva a República dos apagões!!!
O que retive da lição de economia do Dr. Alves da Rocha, na Rádio Ecclesia no dia 24 de Outubro de 2012: “Não podemos continuar assim numa economia de renda, só se vive dos rendimentos do petróleo concentrados num grupo de pessoas, e que a população não tem direito a nada, com baixos salários essa população é vítima de exploração. E que o modelo da diversificação da economia é conversa, assim como o tal modelo do lançamento da agricultura. E que o CEIC – Centro de Estudos e Investigação Cientifica da Universidade Católica de Angola é desprezado pela governação.”
Sem energia eléctrica e sem água. Relatório do desastre ecológico. A mortandade em larga escala prossegue, e ninguém tem coragem de levar os seus mentores a tribunal, ou desmontá-los do Poder. O uso de geradores descontrolado é um crime ambiental de vastas proporções. Um genocídio para levar ao TPI – Tribunal Penal Internacional?
A palavra de ordem é: enquanto o Estado leninista se mantiver no Poder, tudo se reduzirá à poeira do fumo do tempo.
Da maneira que eles tratam as populações, com a mais despótica selvajaria possível, conduz-me à conclusão que existe um projecto de aniquilação da população, para no seu lugar colocarem estrangeiros para as suas negociatas? Parece-me que só não vê quem não quer. Eles não querem saber de ninguém, só estão aqui para facturar.
Ou se organizam convenientemente ou então o Poder leninista acaba com tudo à face de Luanda, acaba com as nossas vidas. É que ninguém escapará, incluindo os presidentes dos partidos políticos da oposição, essa mesma, a tal de radical. E não adianta nada pensarmos em projectos para o futuro.
“Nós podemos matar quem bem quisermos e entendermos, porque os biliões de dólares do “nosso” petróleo silenciam a comunidade internacional. Fazemos desaparecer alguém que nos incomode e com um milhão de dólares facilmente resolvemos o problema. ”
Luanda, 25 de Outubro de 2012, dezasseis horas e vinte minutos, imediações da rua da Liga Africana. Polícia escorraça com as vendedoras dos passeios. O GPL – Governo da Província de Luanda, o terror das mulheres que vendem nas ruas. O grande opressor dos fracos e miseráveis, e acérrimo defensor dos interesses dos senhores do petróleo. É esta a principal actividade do estado leninista: perseguir mulheres? E muito mais destruidora que o mais poderoso ciclone, uma devastadora tempestade leninista se abate sobre Luanda. Esta trapalhada está mesmo muito difícil: é impossível suportar a democracia bancária ocidental e a democracia leninista de Angola.
Pois é, a Sonangol vai constituir um banco para permitir que os seus funcionários tenham acesso a casa própria. É mais uma fraude: A Sonangol é a dona de Angola, como pode só facilitar habitações para os seus funcionários? O banco permitirá a lavagem directa dos biliões de dólares e para incrementar a especulação imobiliária, isto é, reduzir casas, as que ainda existem ou resistem, a pó. Então se o ML – Minoritário Leninista, é uma fraude, como é que ainda alguém acredita nele?
Parafraseando: a casa do Minoritário tem muitas fraudes.
A miséria não se acaba com medidas administrativas, como é o caso da tentativa de acabá-la com a retirada das zungueiras das ruas de Luanda, e de tudo o que é mulherio, ainda mais eivada de corruptos.
Advertência à oposição séria.
De nada adianta fazer conferências de imprensa ou comunicados sobre a calamidade política que em nada alterará a situação. Pelo contrário, só a piora porque ninguém lhes liga devido ao cansaço do estribilho, e quem ganha com isso é o ML – Minoritário Leninista, porque tudo isso se torna muito risível. Para se reverter o descalabro do ML, há que tomar medidas mais eficazes, de mais dureza política. Mostrar ao ML que em Luanda há homens capazes de o enfrentar. Senão, sugiro que acabem com esse passatempo dos partidos políticos e esperar que a juventude altere o rumo do homem novo leninista.
O que é mais importante: perseguir e escorraçar as mulheres que não têm direito às receitas petrolíferas, ou limpar de vez os corruptos que assolam esta cidade? Luanda sem corruptos ficará com toda a certeza muito bonita. As empresas dos corruptos fogem por norma ao fisco, as suas contabilidades estão viciadas. Porque também não se limpa a cidade desta escumalha? Que não se iludam, mais dia, menos dia isto vai explodir, e quanto mais tempo passar, o estrondo iluminará o céu como num dia de forte tempestade. Luanda é uma fraude, porque também não a limpam? E o culpado, ou culpados, pelo desastre da água e da luz não se escorraçam porquê? Quando é que se desmantela este Estado leninista?
«Agora as chuvas terminarão o trabalho que o Minoritário iniciou, a destruição total e completa de Luanda.» Afirmou um segurança. E o outro muito convincente, muito crente: «Deus não vai permitir isso!» E o seu colega surpreendido riposta-lhe: «Qual Deus? Em Luanda só há um, é o José Eduardo dos Santos!»