domingo, 24 de março de 2013

O Cavaleiro Mwangolé e Lady Marli na Demanda do Santo Graal (37)




O amor é uma fortaleza que nos salvaguarda das tempestades humanas.
Em qualquer actividade da nossa vida o tempo está sempre presente. No amor não, o tempo pára, como se não existisse. O amor é o tempo.
Um sorriso de amor é a coisa mais maravilhosa que nos pode acontecer. Sorri sempre amorosamente que o amor te contemplará.

Tão retrógrados que são, que estão, até perderam a noção do tempo, ainda deambulam nos cemitérios marxistas-leninistas com o retempero do socialismo democrático. Tão doentes que estão. E não há ninguém que os carregue para a clínica da ditadura do centralismo democrático?
Perdemos a amizade da Natureza

Prometeram-nos que as cidades seriam um oásis onde viveríamos eternamente felizes. Ora, acreditar em quem nos promete o paraíso da vida, o Céu na Terra, fortalece a ingenuidade, e conduz inevitavelmente os imbecis e canalhas ao poder. 

Há sempre um prazer imenso quando os especuladores imobiliários, apoiados pelo poder, claro, destroem as árvores que purificam o nosso oxigénio, a manutenção dos nossos pulmões e prolongam a vida dos nossos corações. Para estas situações defendo a criação de milícias populares armadas para defenderem a Natureza do seu principal predador: os especuladores imobiliários que se escudam nos falsos democratas, na falsa democracia.

SAII, Sociedade Angolana de Irresponsabilidades Ilimitadas, uma empresa altamente especializada em distúrbios com vasta experiência no mercado angolano. Tem brutos quadros que exercem a prática de demonstrações diárias de pancadarias, torturas e mortes. Também executam outras pancadarias e prisões ao domicílio. Programa para o dia de hoje e seguintes: é a mesma coisa, não há gosto por inovações, assim teremos vinolentas manifestações e perseguições de repúdio às manifestações democráticas, a todos os que denunciem ou lutem contra o regresso forçado à vida das cavernas. Serão servidos pela batuta do nosso PCA – Presidente do Conselho de Administração, de uma repressão sem limites conforme o preceituado na Lei e demais acessórios nas tábuas jurídicas do nosso desregulamentador, que originarão outras manifestações e violentos tumultos que levarão Angola ao descontrolo e a nossa empresa à falência.

Angola caminha no rumo certo da hecatombe social ilimitada. O Poder alimenta a chama do chauvinismo e não poderá ilibar-se das suas trágicas consequências.
Em Benguela, o cidadão chinês que assassinou um jovem kinguila depois de lhe roubar vinte mil dólares, está em julgamento, mas daqui a poucos dias será libertado por falta de tradutor.

Reitero que o Regime segue os trilhos do diabolismo, prepara carne para abutres?
Quando estive no Porto (Portugal) tive que colocar uma moeda de um euro para utilizar a casa de banho, é por isso que aqui no hospital também se paga. In Constantina Machado, do Hospital Américo Boavida, Luanda, na Rádio Ecclesia.

Minhas senhoras e meus senhores: a corrupção faz desemprego, miséria, daqui abre-se a venda ambulante, informal, de sobrevivência por todo o lado.
Vamos ao que interessa:
Trabalhadores da Constrói, EP, estão há quase três anos sem salários.
Se Luanda é Angola o resto o que será?!
Deputados da paz e da esferovite, doutorados pela universidade da bajulação, continuam na sua corrida desenfreada elogiando desmedidamente o seu glorioso patrono. Nota-se casuisticamente que os mordomos ambicionam o lugar, ocupar a mansão do seu amo e senhor?
Em Luanda, cidade da esferovite fantasma, o tempo dos cacimbados acabou, a seguir segue-se o temporal, parece que vai chover buereré, e então veremos um estendal de esferovite que as águas arrastarão e desaguarão onde?
Parafraseando Luís de Camões: e espalharemos catedrais por toda a parte, porque o nosso intelecto só nos permite tal arte.

Dez horas da manhã do dia 16 de Agosto. Na embaixada de Portugal em Luanda, a bicha é impressionante, faz lembrar aqueles filmes de guerra onde toda a gente procura por todos os meios dela fugir. É a muita desorganização, e disto nasce a corrupção, porque onde as bichas se instauram há sempre alguém que com elas enriquece.
Porque é que a oposição e a sociedade civil não criam um jornal semanário para contrapor a hegemonia do partido Minoritário?
Quem foge aos debates é porque não tem ideias.
Quem se deixa ultrapassar pela História, nomeadamente a repetição durante muitos e muitos anos das mesmas palavras em que ninguém acredita, acaba como o Minoritário, o partido dos desesperados, que será irremediavelmente esmagado pelo histórico cilindro.
O Minoritário não necessita de andar na caça aos votos porque já os caçou, prendeu, apreendeu todos?

Denúncia de um familiar: Estava naquela pequena ilha no Futungo, próxima das instalações dos trabalhadores do Gomes e Irmão. Fazia lá a minha vida de pesca. A Isabel dos Santos chegou, correu comigo pela troca de dois barcos a motor para eu me safar. Afinal ela só me deu um, e mesmo assim ainda me obriga a transportar os seus trabalhadores, pagando-me com um recipiente de combustível desses de vinte litros. Eu não aceitei. Para me safar, agora vendo pinchos de porco e cerveja. Mas mesmo assim também já lá andam para correrem com a gente. Eles perseguem-nos, o povo, por todo o lado. Naquela área e limítrofes vamos todos para a rua, para eles fazerem da praia com a nossa miséria a sua vida de luxuoso turismo privado.

Quando recordamos as nossas vidas passadas, verificamos angustiados que aqueles que partiram precocemente para o eterno, foi porque não os amámos convincentemente. Confundimos egoísmo com amor.

E quem não tem ideias, resta-lhe o único argumento, que é espancar os opositores políticos com selvajaria que não baste, incluindo os seus dirigentes, aliás como é a característica principal do Minoritário.
Lembro, ou alerto aos órgãos de informação, que quem não informa esconde a verdade, só noticia mentiras atrás de mentiras, isto não é incitação ao ódio e à violência?
Quando um povo tem o seu destino amarrado é incapaz de decidir o seu futuro, então qualquer aventureiro surge e lhe promete um futuro feliz, uma nova vida, um coração moribundo de esclerose, uma paz sem pombas, um mar de espinhos, uma vida de fraudes, um quotidiano de corrupção, o martírio da escravidão.
E por todos e todos os lados só se houve o bombardeio musical do barulho poluidor mata pessoas e crianças precocemente das maratonas do Minoritário, incluindo o serrar ferros e o do partir paredes dia e noite da propaganda eleitoral das sucursais chinesas. E ainda há quem fique escandalizado e desesperadamente chore: «Mas tudo o que acontece, o culpado é o Minoritário?»
É como uma máquina de escrever e um computador. É que por aqui ainda há alguma gente que usa a máquina de escrever, e é por isso que ninguém lhes gosta.
Vou tentar estabelecer um paralelismo sobre a actual fraude do vulcão eleitoral.
Imaginem uma empresa onde um empregado rouba, por exemplo, um dólar. Ele vê que ninguém ligou ao roubo. Em seguida rouba dois dólares e novamente vê que ninguém liga. De seguida rouba cinco depois dez, cinquenta mil dólares, e ele pensa: «Mas que cambada de burros, eh!eh!, estes gajos são fáceis de dominar, só falam, falam, mas que grandes otários.» E finalmente roubou tudo, porque viu que ninguém se lhe opunha.

A luta pelo amor nunca é em vão. Sê sempre perseverante, e o amor em ti despertará. Por isso, não percas tempo com coisas fúteis. Dedica-te, entrega-te à escravidão do amor.