domingo, 3 de fevereiro de 2013

O Cavaleiro Mwangolé e Lady Marli na Demanda do Santo Graal (34)




Quando estás com muita sede, bebes e sentes uma grandiosa felicidade. Deixa que a sede do amor te possua.
Perdi o amor, e movo-me na esperança dos penedos dos tempos tristes. Tantas vidas que já vivi e vi perdidas. Delas resta-me a recordação da doçura do amor.
A nostalgia das teclas do piano pressionam-me, transportam-me para o passado dos tempos perdidos. A música recorda-nos sempre os entes queridos que perdemos, e o seu amor.
Eis o que é o dia de S. Valentim. Nos tempos gloriosos fazia-se tudo por amor. Agora, quotidianamente, compra-se e vende-se tudo em nome do amor.
Dantes subíamos as escadas do amor cheios de contentamento, sem esforço, felizes porque escravos dele. Hoje, totalmente desesperançados, de tanta frustração adquirida, perdemos as forças e não conseguimos dizer, amo-te!
Dantes, fazíamos do amor uma fortaleza de fidelidade, de harmonia, e o amor correspondia, manifestava-se nos nossos corações. Hoje fugimos do amor, como se fosse o nosso pior inimigo.
Os tempos mudam, o amor também. Nestes tempos da democracia do amor, ele também vai a votos. Até fizeram do amor mais um partido político.
Juro que te amarei para sempre! É a primeira promessa que os enlevados fazem ao amor. O amor não vive de promessas, mas de sonhos desfeitos.
Nas emboscadas que o amor faz, não há exércitos que se lhe comparem. O amor é o mais poderoso exército e não há forças que o derrubem. O amor exerce-nos uma perseguição implacável. É a sua missão, capturar os corações apaixonados e prendê-los nos seus perfumes.
Enquanto existir o amor, a escravidão nunca acabará. Somos os eternos escravos do amor. Sempre submissos à sua lei que contém apenas um artigo: nunca finjas que amas porque desencadeias forças poderosas e misteriosas.
O amor está escondido nos nossos corações e nas nossas mentes. De repente revela-se, e tudo se transforma à nossa volta, como que por artes mágicas.
Imagina um país sem amor. Essa nação cairá em desgraça. Onde não há amor, o Apocalipse é sempre o vencedor. Os ditadores não amam, compram, corrompem o amor, obrigam-nos a amá-los. Um país sem amor está no rumo certo do suicídio.
Esta vi num filme que já não me lembro: qual é o caminho mais curto para chegar no teu doce coração?
Parafraseando: o mundo tem sete maravilhas, toda a gente o sabe. E tu sabes qual é a oitava? Não sabes?! A oitava maravilha és tu.
A vegetação estremecia docemente. Caía-lhe uma suave bátega de água que a enlevava, se precipitava nos suspiros candentes do amor.
Porque não deixam os sedentos do amor se libertarem? Porque perseguem os oprimidos do amor? Porque se faz amor às escondidas, enclausurados em quatro paredes? Os possuídos pelo amor serão também perseguidos e finalmente será decretado: o amor é uma religião.
As nossas actividades diárias cansam-nos, mas o amor faz-nos incansáveis, apaga-nos o peso das nossas almas. Fazer amor é construir felicidade, e libertar-se da servidão humana. É o êxtase do abraço divino.
Quando todos os caminhos das nossas vidas se infestarem de amor, e os campos voltarem a florir, e a harmonia da Natureza outra vez reluzir, significa que as condições impostas para o regresso triunfal do amor se cumpriram.
O navio do amor deslizava convincente na oceânica superfície marítima. Não sulcava a água, nela pairava imparável na paisagem infinita, onde o tempo não existe. Qual Triangulo das Bermudas com mais um ângulo misterioso, o amor.
O amor nunca faz cerimónias, nunca se faz anunciar. Quando chega, abre-nos as portas de par em par. E proclama-nos: cheguei, não vou mais parar, e para sempre aqui vou ficar, eternamente morar.
Quando dois olhares se cruzam cúmplices, e interpenetram-se nos profundos laços da inconsciência, como corações ardentes, ansiosos, descontrolados, é o amor que chegou.
A morte separa-nos, mas o amor não. O poder da morte não supera a eternidade do Taj-Mahal do amor.
Não, não é verdade! Dantes podíamos falar e o nosso amor amar. Que tempos mundanos tão fúnebres, tão irracionais, tão imorais, de amores tão cadavéricos.
O mais importante é a honestidade no amor. Sem ela não é possível viver, amar. Enquanto os corruptos teimarem no poder, o amor vai falecer.
E milhões de seres humanos reuniram-se em caravanas, de viajantes peregrinos. Gigantescas ondas humanas rumavam na direcção do templo do amor perdido.
A criança dorme mostrando no rosto a expressão da felicidade. É que a criança sonha com o anjo do amor.
Inventam-se mil e um campeonatos desportivos que inundam estádios com multidões ávidas por participarem em tais eventos. Mas o estádio do campeonato mundial do amor está sempre vazio, sem espectadores.
Normalmente entoamos com grande à vontade, que o amor terminou. Mas não é verdade, porque ele deixa sempre uma réstia de esperança. Como a chama de uma vela prestes a extinguir-se.
O amor é o rei dos feiticeiros. Quando chega enfeitiça os nossos corações de tal modo que ficamos cegos, e contudo vemos, mas noutra dimensão. A quarta dimensão, a do amor.
O amor anda à solta por aí, muito louco. Cuidado, não te deixes nele enlaçar. Mas não dá, não é possível, porque todos os seres humanos são loucos por ele. Se vires o amor, diz-lhe: vem amor, suplico-te, quero amar-te, desfalecer, amor!
Deixar-se prender nas algemas dos laços do amor, não é crime. E no futuro não existirá nenhum país com leis que proíbam os presos do amor.
Corre, corre, que o amor espera-te. O amor nunca foge, nós é que fugimos dele.
Se sabes amar, escuta com muita atenção o que o amor tem para te revelar: Ele guarda sempre segredos nas suas alcovas. Como é encantador ouvir e sentir os seus suspiros.
Os tempos estão muito difíceis, dizem amiúde, mas o amor não. Deixa-se conquistar tão facilmente, como a flor beijada pela incessante abelha que ama o seu pólen.
Quando olhares para o amor, fá-lo com um extraordinário carinho enternecedor. Pois ele facilmente desvenda a falsidade de um olhar.
E tudo o amor levou. Não, deixou cair algumas sementes. É esta a origem dos jasmins.
Nunca digas que amas sem autorização do amor. É que ele pode ferir o teu coração. E as feridas do amor são incuráveis.
Os campos de flores atraem os apaixonados e sedentos de amor. Se não existissem flores, também não existiria o amor. Não deixes que as flores se extingam.