domingo, 19 de maio de 2013

OS LIBERTADORES… DA IMPRENSA




Os libertadores da imprensa
Saem jocosos como qualquer
Com um padre e um sociólogo
Mais duas bocas de aluguer

Avançada imprensa partidária
E que até a malária se extinguiu
Vê-se nos hospitais cheios de crianças
Como coisa que nunca se viu

A imprensa partidária é única
Só ela informa com a verdade
E a Nação desenvolve-se
Isso não faz parte da criminalidade?

Não é permitida habitação!
Apenas campos de desalojados
Sem água, luz, apenas capim
Como sardinhas em lata, enlatados

Não têm direito a elas
As casas que foram pagas
Estamos no tempo do Egipto?
Lançaram-nos as dez pragas?

Que panorama acolhedor
Onze anos de paz, plena liberdade
Em Luanda já não dá para viver
Onze anos de terror, de criminalidade

No país mais desenvolvido do mundo
Atingimos o cume da felicidade
Sem água, luz e miséria garantida
Premiados com o estatuto da infelicidade

Os dinheiros do petróleo jorram
Nas catedrais das obras góticas
No carnaval da prostituição
Das nossas beldades exóticas

Há quarenta anos sem empregos
Há iguais tempos que os aguardamos
São só para os donos estrangeiros
E escravidão para os nossos amos

O vulcão do petróleo está em erupção
A calamidade nacional está muito tensa
Querem extinguir a imprensa privada
E estatizar a liberdade de imprensa