quarta-feira, 11 de maio de 2016

OS ABANDONADOS DO PETRÓLEO



A infantil prostituição
É o ganha-pão
E os pedófilos
Nunca dizem que não

Nesta república das mentiras
Onde todos os dias são 1 de Abril
Tudo corre às mil tiras
E de desgraças mil

Oposição que muito fala mas nada faz
Claro que é ineficaz
De nada mais é capaz
É mais um prometido cabaz

De tantos militantes falsos
Que nos levam para os cadafalsos
E lá nos deixam silenciados
Desaparecendo aos bocados

E da oposição pobre coitada
Dela não se espera nada
A efeméride da efémera oposição
Como o ladrar de um cão

E tudo cada vez mais se complica
Porque nada se edifica
É como dirigir um país com chicote
Sem que dele nada mais brote

E nestas matanças
Onde hajam crianças
E das prisões arbitrárias
Dos presos políticos nas celas solitárias

Até nas demolições
Cortam cabeças de crianças
Vêm com camiões
E outras bélicas alianças

Nas ruas não se pode vender
Não é possível comer
É impossível viver
O pior está para acontecer

A morte está em todo o lugar
Não há como lhe escapar
Não dá para a taxa do lixo pagar
Sob a palavra de ordem desempregar

Os presos políticos lá estão
Abandonados pela oposição
E pela Igreja da falsa religião
Como isto vai acabar não sei não