quinta-feira, 20 de novembro de 2014

18-23Out14. República das torturas, das milícias e das demolições





Diário da cidade dos leilões de escravos

18 de Outubro
Só com discursos, fazedores de opinião, comunicados e conferências de imprensa assim se destrói um país.
Perante o que se está a passar nos últimos dias, não me restam mais dúvidas que Angola merece muito bem o estatuto de estado falhado.
19 de Outubro
Viva a corrupção em Portugal! A corrupção faz um incêndio de graves proporções em Portugal, porque o EFA- Estado Falhado de Angola, envia-lhe malas carregadas de dinheiro. Como acaba de noticiar o CMTV: “A grande fortuna em dinheiro encontrada nas malas na residência do general Bento dos Santos Kamgamba, pela Polícia Judiciária Portuguesa, era para pagamento de luvas de políticos portugueses.”
Quem brinca com a sua vida e com a dos outros, mais tarde ela cobra-lhe com juros elevadíssimos.
Todos lutamos pelo nosso pedaço do mundo que nos pertence, mas como há uma pequena porção de indivíduos que o usurparam, a nossa luta diária de milénios é essa: reivindicar o que é nosso, mas as leis deles dizem que estamos ilegais, e isso é a causa das revoltas permanentes.
Eram para aí vinte e uma horas, zona das motas, ex/ Avenida do Brasil, agora Avenida dos Massacres, um português vem com uma pasta. Muito rápidos, dois bandidos atacam-no, um dá-lhe uma rasteira, o português cai, fica indefeso, os bandidos tiram-lhe a pasta, fogem e desaparecem na noite. O português levanta-se e corre a grande velocidade para um prédio próximo onde reside.
20 de Outubro
De uma vizinha: sempre com a mania deles. Chegaram aqui há pouco tempo, alugaram o apartamento do primeiro andar e fizeram dele um escritório. Os portugueses não mudam, e se mudam é sempre para pior. Quando passam pelos vizinhos mwangolés não cumprimentam, porque nós não somos pessoas, mas se forem brancos já cumprimentam. Os brancos sempre com a mania deles.
E o Nosso Técnico conseguiu descobrir… capturar o paradeiro do português trapaceiro. Perguntou-lhe pela sexta ou décima vez: «Como é?! O dinheiro do meu trabalho?» E o português desavergonhado: «Ainda não recebi!» Pois, os portugueses fizeram morada aqui apenas para transferirem tudo o que puderem para Portugal e os mwangolés viverem sempre na condição de antanho, escravos com o apoio mórbido da nomenclatura e da comunidade internacional, que vê no africano não um ser humano, mas uma besta de carga.
Às 21.19 horas a luz foi-se.
21 de Outubro
Às 01.15 a energia eléctrica (?) regressou. Às 08.48 desapareceu e reapareceu, parece, não, é mesmo um fantasma, às 09.23 horas. Pouco depois desapareceu outra vez e veio às 10.22.
E também se importa peixe cacusso da Tailândia. Com tanto cacusso que Angola tem importa-o, assim como o limão que o extinguiram – tal como o cacusso?, – para que se possa importá-lo de Portugal. Estes planeamentos macabros nunca mais acabam, porque os povos de Angola e da África são para eternamente colonizar.
José Ferreira. In Portugueses em Angola. “Quanto os angolanos ganharem pouco é mentira”. Comentário de Chiquita Bacana Kundi. “ Pois é, pois é. Mas, não podes falar pelos teus compatriotas. Porque até os velhos, bem velhinhos vêm para Angola e relacionam-se com meninas e mulheres pobres, chegando ao ponto de fazerem filhos com as mesmas. Humilhação total! Só pelo facto desses velhos, sem carácter, aproveitarem-se dessas mulheres, só pelo facto de serem pobres. Portugal devia ter um pouco de vergonha, mandar velhos para o nosso país que já pouco ou nada podem oferecer a não ser engravidar as mesmas. Vergonha nacional portuguesa. Que horrorrrrrrrrrrr! Conheci um caso, que a irmã do velho falecido veio a Angola, buscar as crianças, porque a coitadita não tinha como sustentar as crianças.”
22 de Outubro
Das 14.51 até às 15.01 horas mais um apagão caiu-nos em cima.
Ouvi bem, ou é concorrência desleal ao nosso patrono, Bento dos Santos Kangamba? Bispos da CEAST elogiam os sucessos do nosso andebol em África.
Uma Igreja viciada na doutrina da Idade Média, não salva almas, porque insiste em enviá-las para a fogueira.
Amizades perigosas. Ela conseguiu conquistar a amizade de um casal. Já frequentava regularmente a casa. Um dia ficou lá sozinha a tomar conta das crianças. Pôs a bebé de seis meses nas costas, saiu, passou pelas vizinhas nas calmas, que como era amiga do casal ninguém lhe perguntou nada, para onde ia. Nunca mais voltou, a bebé também não.
Não se pode estacionar numa curva porque é proibido pelo Código da Estrada, mas em Luanda pode-se.
Em Angola, e particularmente em Luanda, há muitos terrorismos. Vai ser muito difícil, senão impossível, acabar com eles. E o mais perigoso terrorismo que nos faz estragos incalculáveis é o da hipocrisia que fortemente unida à corrupção, faz o futuro impensável.
23.00 horas. Terror na rua das Sirenes. Duas jovens correm perseguidas por dois bandidos desses das motas. As jovens conseguem refugiarem-se num prédio junto dos seguranças. Dois portugueses acabados de chegar e já apelidados de brancos racistas – assim chamados pelos vizinhos porque não cumprimentam mwangolés – pretendem obrigar um segurança a acompanhar as jovens tipo cavaleiro andante desses que defendem a sua dama, ao que ele se recusa afirmando para os portugueses que se quiserem eles que vão, porque ele dali não sai. E um português diz-lhe que se vai queixar no chefe dele. Vê-se logo que estes portugueses nunca estiveram em Luanda, e que se assim continuarem, problema deles. Entretanto outro português em tresloucada correria também se refugia no prédio, escapou de ser assaltado por outros bandidos. Estes e os outros bandidos vinham armados com pistolas. O português fala bem com o segurança, e assim a jeito de o dominar dá-lhe mil kwanzas para que ele o proteja. Noutro entretanto, os vizinhos já comentam que o escritório dos brancos racistas não demorará muito tempo a ser assaltado, porque os vizinhos já notam movimentos suspeitos, e como eles são racistas, também problema deles.
23 de Outubro
Quénia, Moçambique e Nigéria, já nos ultrapassaram no crescimento económico. In José Severino, no programa Vector da LAC.
Às 10.38 mais um apagão.
Os verdadeiros bandidos não são os que nos assaltam nas ruas, são os salteadores do petróleo e mais aqueles que o cheiram.
Enquanto existirem brancos racistas, o racismo nunca acabará, pois são eles que continuam a pregar esse evangelho há quinhentos anos instituído.
Luanda é o local ideal para acolher criminosos, pois aqui são sempre bem-vindos e muito bem recebidos. E os racistas têm aqui um belo santuário.
Quando uma quadrilha dirige, todas as outras se lhe juntam.
Está mais que provado: São eles que têm o direito de viver e nós não. Por isso somos abatidos com muita facilidade.
Que a miséria esteja convosco! E contigo também!