sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

O Cavaleiro Luaty e Mana Laurinda na Demanda da Santa Corrupção (07


“Après moi le déluge. Depois de mim o dilúvio. Máxima egoísta, atribuída a Luís XV, rei de França, que previa a derrocada próxima da monarquia, mas esperava que esta ainda durasse pelo menos tanto quanto ele próprio.”
Ó eterno governo das eternas falsas promessas, os que vão morrer de fome saúdam-te!
O cavaleiro Luaty foi transferido para uma prisão de alta segurança porque em Angola quem lê livros não aprovados pela censura oficial é considerado pelo regime como inimigo muito perigoso, um terrorista local. Na prisão situada nos confins de uma floresta uma surra diária fazia parte do seu cardápio, do qual nada mais havia a escolher. O cardápio era sempre o mesmo, surra e mais surra. O mais importante é torturar a quem não se pode julgar. Sem acusação formada notava-se claramente que se tratava de um caso pessoal entre o cavaleiro e o CAOS, corruptos angolanos organizados em sociedades, e o Grande Inquisidor. Na realidade Angola defende a manutenção das independências selvagens dos anos sessenta. É por isso que ainda não sabe o que são direitos humanos, livre expressão e democracia. E qualquer semelhança com o estado islâmico é mera coincidência. Sob o lema perseguir é libertar, o CAOS obrigou, a população à fome subjugou. Considerando que só pela fome uma nação se liberta, o CAOS imprimiu desde logo uma grande ofensiva. Como aquela do tal projecto do desenvolvimento agrícola da Quiminha, que nos próximos anos produzirá milhões de ovos, incontáveis postos de trabalho, etc, etc, quer dizer: se os mesmos dos mesmos projectos megalómanos até agora nenhum foi avante, claro que este ou outro qualquer nunca funcionará, porque ninguém acredita nesta gente. Quer ainda dizer: são tantas as mentiras que já ninguém acredita neles, e eles insistem, o que é paupérrimo, aleivosia. Construir catástrofe sob catástrofe até que o dique rebente e seja impossível sustê-lo, é isso que os catastrofistas desejam. Então paz às suas almas.
E Luaty medita que aqueles verdadeiros heróis que lutaram honestamente pela independência de Angola estão esquecidos, abandonados no panteão da história nacional. Como é possível um país democrático ter presos políticos? Só os demónios da governação o sabem. Agora só o petróleo é o herói nacional, tudo o mais é para abater da forma mais irracional. Parece que finalmente só agora a história de Angola começa a realizar-se.
A população angolana está encarcerada. Agora no bilhete de identidade onde está número, foi alterado, está, preso politico número tal. E nos BIs da nomenclatura está carcereiro número tal. Quer dizer que apenas existem duas classes em Angola, os presos políticos e os carcereiros, estas são as duas classes políticas. As duas classes sociais são a dos esfomeados e a dos abastados. O mais importante é humilhar e ridicularizar as pessoas. Pessoas? Quais pessoas?! Há muito que deixaram de o ser, agora são cães vadios à espera de carros que os esmaguem.
Ó pátria dos cangalheiros, o olhar silencioso da fome vos contempla.
Anúncio colocado no portão principal da entrada da quinta de Angola: PERIGO! NÃO ENTRE! As receitas do petróleo são propriedade privada de alguns dignitários desta quinta.
Claro que não acredito no julgamento dos presos políticos, porque os corruptos não são detidos e muito menos julgados. Significa que a justiça é um acto de repressão. Os actuais presos políticos são os verdadeiros mártires da revolução angolana.
Do semanário Expansão. “O banco sul-africano First Rand anunciou que vai deixar de fornecer notas de dólar aos bancos angolanos a partir de 30 de Novembro próximo. A maka é que o banco sul-africano é o único fornecedor de cédulas americanas a Angola. Há rumores do aparecimento de notas novas de dólar importadas por Angola no Médio Oriente.”
O plano é matar todos à fome para que o abençoado poder fique sozinho, sem ninguém que lhe estorve.
No domingo das 12 às 14 horas andou por aqui um carro com colunas de som muito barulhentas, o tal som que estremece edifícios, a publicitar a religião dos demónios. Os responsáveis por esse banditismo religioso têm que ser presos por desacatos na via pública. Mas como Deus favorece os corruptos…
Mensagem de um amigo que não consegue transferir dinheiro do exterior para Luanda. “Os sistemas de transferência agora carecem de uma série de aprovações que é uma coisa louca. Transferir virou um inferno. Nem consigo ajudar a minha mãe... Tive que usar o serviço de envio Western Union e que ficou ainda mais caro.”
Quanta mais miséria e fome, mais igrejas, mais sacerdotes, mais ditaduras, mais presos políticos, mais escravidão, mais prostituição, mais mortes, mais destruição, mais…
Deixem a oposição dormir porque pelos vistos parece que ela nunca despertará.
Declaração do Governo de Angola: Compatriotas e camaradas. O Governo de Angola declara à sua massa militante e ao povo heróico e generoso de Angola, que a miséria e a fome estão asseguradas. A fome é certa! A fome vencerá!
Enquanto a Europa e os Estados Unidos da América apoiarem ditaduras, espoliando os seus povos e obrigando-os a feroz repressão, miséria e fome, com presos políticos em prisões/cemitérios. É que, é necessário ter em conta que uma ditadura é como um estado islâmico. E como há muitas ditaduras, significa dizer que há muitos estados islâmicos. Assim, o terrorismo nunca será vencido porque é como tentar apagar um incêndio com gasolina.
Este governo só apoia quem está no saque de Angola.
A TPA-televisão dos patetas angolanos, informou que nos últimos anos o desemprego para “estrangeiros” diminuiu de quarenta e quatro por cento para pouco mais de vinte por cento.
Há governantes que foram democraticamente eleitos, e os seus povos têm as ferramentas constitucionais para viverem felizes porque eles usam a sabedoria.
Há governantes que não governam e não o sabendo fazer, usam a força, a repressão e de presos políticos são uma malvada nação. Os seus povos vivem na miséria e na fome, porque onde não há sabedoria, há governação da porcaria, a extinção dos seus povos pela fome, pois esses governantes ficam felizes por nos seus países apenas existirem um palácio e um exército pessoal que absorvem todas as riquezas. O sistema bancário seca por falta de irrigação intelectual, fica na bancarrota porque eles e as suas famílias, dos bancos que são accionistas deles rapam tudo. Parafraseando José Afonso: eles devoram tudo e até das ruínas não deixam nada, enquanto os seus povos jazem na terra de ninguém.
Num país onde o pleno desemprego é um facto consumado, um país de desempregados, afirmar na TPA que o desemprego diminuiu é um hediondo crime. E como tal os responsáveis por tais afirmações irresponsáveis ao serviço das forças do mal devem ser imediatamente punidos severamente. Nós, cidadãos desempregados merecemos o mínimo de respeito. Vão para o diabo que os carregue. Basta de desemprego, miséria e fome. Exigimos prestação de contas das vossas actividades ilícitas. Chega de palhaçada! Palhaços na prisão, já!  
“Camilo Gonçalves: Quero e pretendo, alistar-me a qualquer Exército, a fim de combater e lutar contra o Estado Islâmico. Experiência militar e de combate; em outubro de 1999 fui enviado pelas forças armadas angolanas como Mercenário, para a República Democrática do Congo.”

Imagem: autor desconhecido