terça-feira, 26 de janeiro de 2016

O Cavaleiro Luaty e Mana Laurinda na Demanda da Santa Corrupção (15)



Outro 1975 à vista, mas desta vez com os cofres vazios e fome generalizada, prenúncio da encruzilhada de outro país africano em poder dos senhores da guerra.
E os bandidos passaram na porta do prédio e quase gritaram de arrepiar: “os primeiros que vamos matar são os estrangeiros.”
A religião destruiu Angola, a África e o mundo.
Para aqueles que da crise se refugiam no cigarro, e logo, para quem fuma cigarro atrás de cigarro, se define o seu trágico futuro.
Aqui, nesta conjuntura, sinto-me como se estivesse no lugar mais longínquo da civilização.
As portas do caos estão abertas. Os que as abriram dizem que a situação política e social está estável. Bancos sem divisas, extrema miséria, a fiel amiga da fome que se espalha sem solução, porque parece que não há mingúem que saiba ou se interesse por solucionar tão fáceis coisas. Está tudo estável, até a ininteligência. A corrupção é a garantia de estabilidade dos bem adormecidos no continente berço da humanidade da mão estendida.
No Facebook, no sítio, portugueses em Angola, quando algum português está aflito com alguma coisa, envio de algo urgente de Portugal para Angola ou vice-versa, ou qualquer outra situação, como por exemplo uma dúvida ou uma preocupação de saúde, os outros portugueses respondem de imediato disponibilizando-se para ajudar. Os portugueses têm espírito de entreajuda, solidariedade, educação… de civilização. E os mwangolés no Facebook, também são assim? Salvo raríssimas excepções que confirmam a regra. Os mwangolés ainda não têm noção dessas coisas, talvez daqui a alguns séculos o consigam… se até lá não forem extintos, o que pelo actual andar das coisas não terá nada de surpreendente.
Rui Saraiva: Caros Amigos esta situação dos cartões de crédito deu cabo do dia...da semana...sei lá...queria saber, quem tem cartões de crédito de outros bancos sem ser o Standard bank e o Atlântico se está a acontecer a mesma situação? Obrigado. Pedro Cota Cruz: Esses cartões já não estão a dar para levantar em Portugal. Luis Vaz: Continua a funcionar o cartão Kumbu do banco sol, levantamentos equivalentes a 1000 usd a cada 3 dias. Desvantagem: tem que ser carregado em USD. Ana Fernandes:  Os nossos do BNI e do BAI já não têm permissão de carregamento há muitos meses. João Gomes Azevedo:  só quando os estrangeiros forem todos embora é que eles vão aprender. João Carvalho: nunca dorme o chinês!!!! o presidente angolano também não, a filha também não, o genro também não, uns quantos generais também não e outros ......!!! só o povo é que anda distraído e a dormir ........há muito tempo ....!!!”
Com o preço do petróleo quase a zero, o Brent a 28,76 e o Wti a 28,46 dólares, Angola vai desaparecer muito rapidamente e vai juntar-se ao clube dos países africanos da mão estendida.
Um bom governante é o que garante à comunidade internacional que a situação política e social de Angola é estável, mas a miséria e a fome estão muito instáveis, já deram o ultimato, estão em guerra com a situação política e social. Sem dúvida alguma que tal discurso é mais uma cabala do ritual dos feiticeiros angolanos.
Mensagem de um amigo: “O peixe que andam a vender (na rua) está todo estragado. Hoje comi um com um gosto muito estranho.” Também aconteceu comigo e com vizinhos.
Sobre a escassez de divisas nos bancos angolanos no Diário Económico: solange 
Mas alguém tem dúvida que preto é burro... Má gestão isso sim...  Não queriam ser independentes, está aí o resultado... E o pior ainda está para vir, deixa só os dólares na rua acabarem... Mafurra: Com certeza que queriam. Todos os povos querem! Ou você acha que só Portugal tinha esse direito? O povo angolano não tem culpa que meia dúzia de corruptos tenha tomado conta do país, e o tenham transformado nesta desgraça. E se for a ver, esses corruptos estão TODOS bem de vida. Com o dinheirinho bem guardado FORA de Angola. Fernando Fernandes: Os povos têm direito à auto-determinação. Negociámos mal, mas fizemos o que devia ser feito. Quando aos dólares na rua, já acabaram, salvo honrosas excepções. Mas ajude-nos, que julga vir a acontecer? Joka Snow’s: Em que país estamos? Desde quando o racismo é permitido nos comentários. Um pouco mais de respeito pelas pessoas e por um país de expressão portugueses chamado Angola é preciso. Fernando Fernandes: Os exemplos indicados para as aplicações de divisas parece-me reduzido. Cito; pagamento de salários, transferências para famílias, transferência de resultados, compras ao exterior, compras de viagens, pagamento de empréstimos ao exterior, serviço de dívida a fornecedores, abastecimento alimentar ao mercado. Com origem no exterior. Mas deve de haver mais. Com a relação usd - kwanza a subir todos os dias, não sei como vai ser para 200.000 portugueses em Angola. Brytes Lx Fernando Fernandes: os 10M de Portugueses aqui no Continente devem preparar-se para um regresso de Retornados parte II... e é bom que nos preparemos para isso antes que seja tarde e depois de eles começarem a aterrar é que se pense em arranjar trabalho para eles. Uma: Então tinham tanto dinheiro??? Preto é burro mesmo, né?!”
Artigo publicado originalmente em Socialism Today, a revista do Partido Socialista (CIT na Inglaterra e País de Gales). “As batalhas travadas na Primeira Guerra estão entre as mais sangrentas na história. Na batalha de Ypres, na Bélgica, o exército britânico perdeu 13 mil soldados em três horas só para avançar 100 metros! No primeiro dia da batalha do Somme, morreram 60 mil, a maior perda já sofrida pelo exército britânico. Isto apesar do fato de que, nos seis dias anteriores, as linhas alemãs tinham sido atingidas por três milhões de granadas! O total de vítimas na batalha do Somme foi de 1,1 milhões de soldados em ambos os lados. Até o fim da guerra, em 1918, os Aliados (liderados pela aliança da Entente, entre Grã-Bretanha, França e Rússia) contabilizaram 5,4 milhões de mortos e sete milhões de feridos. Seus opositores das Potências Centrais (Alemanha, Áustria-Hungria, o Império Otomano e Bulgária) sofreram quatro milhões de mortes, 8,3 milhões de feridos. Foram principalmente recrutas jovens, da classe trabalhadora, que faleceram. Motins eclodiram nos exércitos franceses e britânicos. No norte da França, as tropas no front ocidental receberam ordens para começar uma segunda desastrosa batalha do Aisne, sob a promessa que ela acabaria com a guerra. O ataque falhou e o ânimo das tropas mudou de um dia para o outro. Quase a metade das divisões de infantaria francesas no front ocidental se revoltaram, inspiradas na Revolução Russa. Três mil e quatrocentos soldados enfrentaram corte marcial.”
Se as democracias continuarem a apoiar, a depender das ditaduras, o terrorismo será invencível porque a sua força vem da opressão e da repressão, claro, das minorias no poder que se dizem democráticas, mas que na realidade não o são, e que também favorecem o surgimento de mais coreias do norte.
A oposição tem que ser muito forte para reagir, enfrentar o poder que conduz as populações para a fome como se fosse o escolhido por Deus para nos governar eternamente. Se a oposição é incapaz porque a sua liderança é muito fraca, logo não consegue garantir a vida dos cidadãos, essa oposição e a sua falsa liderança devem de imediato resignar e entregar o poder aos verdadeiros e corajosos patriotas salvadores da nação.
Eu, corrupto, juro solenemente que apoiarei e defenderei a corrupção de Angola.
“José Almeida: Pior, em Luanda a classe política toda, que tem mamado estes anos todos são constituídos por Generais e ex FAP, portanto eles controlam o exército. Como é que se derruba um governo assim!!!! Só com intervenção externa... Porque o povo Angolano já sabe o que lhe espera se se revoltar. São mortos ou presos, e num pais que não existe direitos humanos!!!! Os Angolanos não têm força para mudar o rumo do país. Por isso vai ser roubar ate mais não poder, essa matéria não diz nem um terço do que esse indivíduo roubou ao povo Angolano, o estrago que ele fez e os bolsos que ele encheu, exemplo a IA. Agora cidade de Luanda, Angolanos preparem-se porque cada pedra desse plano Municipal vai custar ao povo Angolano o quádruplo do seu valor, muitos bolsos para encher. Ou então melhor ainda nada ou pouco vai ser feito e o dinheiro magicamente ira desaparecer... Lol.”