quarta-feira, 9 de março de 2016

O REI DO PETRÓLEO (19)



RCE - República dos Comités de Especialidade, algures no Golfo da Guiné.

O que mais falta de Angola que se possa vender aos estrangeiros?
Marta Velosa. “olá! Aderi ao grupo (Portugueses em Angola) porque recebi uma proposta para trabalhar em Angola. O ordenado são 300.000 kuanzas e em princípio não tenho as viagens pagas a Portugal. Tenho um visto ordinário. Acham que é uma má proposta?”
Todos os homens nascem iguais, mas as ditaduras fazem-nos desiguais.
Em Angola e fora dela há um exército da peste de hipócritas e de corruptos, mas em breve serão exemplarmente derrotados.
E qualquer conspiração que atente contra a Constituição e a democracia deve ser de imediato rechaçada pelos democratas convictos, mesmo que isso lhes custe as vidas. Morrer em defesa dos ideais democráticos é a principal tarefa das nossas vidas.
E a Unita não me convence porque fala muito, repete-se, não faz nada. Até porque ao longo de quarenta anos estamos exaustos de propaganda política. A Unita deve mudar a retórica dos seus quadros mais velhos, cansados, ultrapassados.
Este poder é o poder das confrontações permanentes.
Perante a actual conjuntura – A Grande Marcha da Fome – muitos deputados, ministros, etc., verão a inutilidade das suas funções.
“Luaty Beirão vai sucumbindo, há quem se mostre inquieto e solidário neste momento bastante difícil da sua vida. Há quem valorize mais a vulgaridade e a bajulação, e olhe para o Luaty como um inimigo, um estranho. Olho para o Luaty Beirão como uma laranja boa inserida num pomar que outros, infelizmente, preferem ver apodrecido. Nós, pais, irmãos, compatriotas, não podemos ficar indiferentes ao que se passa com o Luaty... Vamos fazer o possível para salvar o Luaty Beirão!” (Justino Pinto de Andrade)
No Camama, bairro do Golfe 2, três desgraçadas que vendiam algo para escaparem à Grande Marcha da Fome, não foram detidas, foram presas pela implosão da lei marcial que há quarenta anos vigora, nos devora. As testemunhas falam de quatro e um bebé, sob a acusação do crime de vender para sobreviver, só quem é do palácio o pode fazer. E abandonaram-nas num contentor que serve de esquadra policial improvisada e lá morreram asfixiadas. A Polícia recusou tal acusação, ela recusa tudo, é uma santa inquisição, mas nós sabemos que quando lhes queixamos algo que atente contra a nossa vida ela diz que já vem aí, mas muito dificilmente aparece. E se for em zonas sem iluminação, vale mais esperar pelo diabo, pela sua redenção. A Polícia insiste que nada tem a ver com isso, mas as famílias que fazem os funerais exigem os seus corpos que ninguém sabe onde estão. É muito provável que estejam no monte Sume, no Huambo.
Numa reunião do Politburo, o Rei do Petróleo perguntou aos presentes se a RCE já estava em primeiro lugar da corrupção mundial, e todos responderam que sim. E houve uma extraordinária ovação ao Rei do Petróleo por mais tão maravilhosa ascensão ao reino da corrupção, por tão esmerada governação. E os presentes levantaram-se como sempre – não sabem fazer mais nada, e se o souberem vão logo, imediatamente para a prisão sob a acusação de conspiração – e em uníssono gritaram.” Muito obrigado grande líder por mais esta vitória conseguida! Os nossos cofres públicos rejubilam com isso! Viva o Rei! Viva a Marcha da Grande Fome!”
Agora, quando assaltam as residências, os que só vivem dos assaltos porque não têm nenhuma fonte de rendimento a não ser isso – dão tiros nas pessoas.
O Rei do Petróleo presidiu ao seu ordens superiores – que de facto e de jure governa, liquida Angola - o GEOS, Gabinete Especial das Ordens Superiores, e ordenou a morte lenta de todos os presos políticos presentes e futuros.
Claro que a democracia evolui, e para o provar é suficiente observar a actividade dos corruptos que assaltaram a democracia e actuam como grandes defensores da justiça, da paz, da democracia, dos direitos humanos, que não há presos políticos.
Pouco falta para que ao acordarmos recebermos, sofrermos, a informação de que a super mana Isabel, ela que é profundamente conhecedora das artes mágicas, do como derrubar um país e fazer com que ele se renda totalmente aos seus pés, sendo detentora absoluta dele, e obrigando os cidadãos a que nada mais tenham a exigir ou reclamar, que ela comprou as ruas e passeios de Luanda, e que para nelas e neles andarmos teremos que lhe pagar os direitos de autora, isto é, uma taxa especial de circulação.
Eu se fosse presidente desta república ordenaria a extinção dos partidos políticos da oposição pela sua inutilidade pública e política.
Quando se esconde a informação, esconde-se a corrupção, o caos económico, e quando se prendem pessoas apenas por passatempo, enchem-se as prisões de presos políticos, isto é estalinismo.
Quem colocou o Rei do Petróleo no poder foi a oposição que aceitou e concordou com a fraude dos resultados eleitorais. Ah! Agora querem derrubá-lo?! Pobre e insana oposição. Isso mesmo! Ó insana oposição, o Rei do Petróleo faz o que quer e lhe apetece, e os coitados da oposição choram, falam, falam bwe. Depois, cansados rendem-se como cordeiros à procura de pastor.
Entretanto a Grande Marcha da Fome chegou à província do Bengo, próxima de Luanda. Dois mil seres humanos (?) vivem da caça aos gafanhotos e aos ratos.
A meio da tarde aqui mesmo na rua das Sirenes, uma jovem foi assaltada. Ela foi no multicaixa e quando saiu do banco na direcção da sua viatura os assaltantes estavam à sua espera. Apontaram-lhe uma arma e disseram-lhe para ficar caladinha, roubaram-lhe a pasta com outros cartões de crédito de amigas e quarenta mil kwanzas. Eram dois, fugiram numa motorizada, como sempre ninguém ousou persegui-los, porque antes de voaram deram um disparo para o ar. Os assaltos são imensos, estão demais, destarte que dá para criar uma coluna jornalística com o título: Assaltos na Rua das Sirenes e Arredores. 
E quando um governo governasse muito, muito mal, não deveria permitir-se que ele assim continuasse. Mas como as leis dos homens são muito falíveis, por isso mesmo as nossas vidas são como uma casa no cimo de um penhasco à beira mar continuamente açoitada pelas ondas tempestuosas que a qualquer momento nos arrastarão para os escolhos lá em baixo. É isso a lei dos homens. 
Essa oposição burra está à espera que alguém tome o comando da insurreição para depois o seguir, e declarar como sua a revolução.
Pastados quarenta anos a feitiçaria ainda não acabou, pelo contrário mais se enfeitiçou, está uma nação de feiticeiros e raramente se fala disso, então não se sabe quando e como terminará.
Há quarenta anos que o governo está em guerra contra a sua população. Fala de paz, isso é para ludibriar a comunidade internacional, que de local já há muito que não existe. Para quê escondê-lo pois vive-se uma guerra feroz sem tréguas, a população aterrorizada tem medo de o dizer.
Um governo que não resolve problemas não tem nenhuma utilidade. E como é extremamente corrupto, presenteia-nos com o inferno a cada segundo das nossas vidas, que até já nem sabemos o que é isso. Afinal a vida aqui é o quê? Não tem nenhum significado.

Até agora ninguém sabe de quem é a mala com um milhão de dólares que foi encontrada abandonada num voo da Taag para Pequim. A questão aqui não é o milhão de dólares, mas de como os estrangeiros ganham com incrível facilidade, melhor, surripiam dinheiro de um país para outro. O saque de Angola voa directo para Pequim e para Portugal. E os aviões já não o são, transformaram-se em malas voadoras que carregam milhões, muitos, muitos milhões de dólares de um país que não os tem.