sábado, 31 de outubro de 2015

As torturas dos presos políticos de Calomboloca



Presos políticos é muito fácil
Recolha do lixo é muito difícil
Para o caos económico justificar
E bodes expiatórios despenhar

A Igreja é muito bonita, corrupta
Oh! Pobre Igreja tão dissoluta
Que migalhas entre si disputa
Sempre irreconhecível, poluta

A Igreja de Angola está demais
Jurou que contra Deus jamais
Fecha os olhos aos sicários
E aos bajuladores sectários

É corrupto o Cristo também
Por isso padre é zé-ninguém
Presos políticos são torturados
E pela Igreja amaldiçoados

Esta Igreja ao demónio ora
Mas está a chegar a sua hora
Nunca mais acaba, demora
Que esta podridão vá embora

É surda não escuta os lamentos
Presos políticos são inventos
Pelos polícias aceita a invasão
Está possuída pela corrupção

Isso de torturas é com a gente
Renovamos a santa inquisição
Somos mestres na arte demente
Presos políticos à fogueira vão

Presos políticos ao martírio vão
Deles não reza o estado da nação
Já estamos no Estado vampirizado
De miséria e fome por todo o lado

Este poder está tão tresmalhado
Perdido, fugitivo como gado
Como o poder da Igreja renegado
De presos políticos é este Estado

Os presos políticos a Igreja condena
De braço dado com o poder ordena
Das suas exéquias comemora novena
Para no final exigir uma quarentena

Pelos presos políticos Cristo chora
A Igreja hipócrita diz que os adora
A Igreja é o Judas de agora
A maldição segue-a pelo mundo afora