sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O REI DO PETRÓLEO (11)


RCE - República dos Comités de Especialidade, algures no Golfo da Guiné.

LIBERTEM OS PRESOS POLÍTICOS JÁ!

Com o preço do petróleo tão baixo, o brent está a 49.59 e o outro a 45.15 dólares, é muito aconselhável que os governantes do petróleo mudem de emprego. É que com tal situação de penúria não há ministros que consigam manter os seus empregos. E claro, pensam (?) que a coisa é passageira e que tudo depois ficará numa boa. Mudem de emprego antes que seja tarde de mais. Um conselho de amigo: podem já ir vendendo algumas coisas dos chineses nas ruas. Vai ser muito difícil safarem-se, mas é melhor do que estarem aí sentados nos ministérios a sonharem com o preço do petróleo a cem, cento e vinte dólares. Mas também parece que não terão muitos problemas porque têm garantidos empregos dados, sustentados pelos grandes amigos chineses desde os tempos gloriosos da revolução comunista, na condição de neocolonizadores, desde que cumpram as suas ordens claro.
“E as ideias são à prova de balas.”
“Há de tudo no Parlamento. Coisas que nunca tinha visto antes. Tanques, antiaéreas, infantaria… o que geralmente acontece quando as pessoas sem armas enfrentam pessoas com armas.”
“As pessoas não devem ter medo dos seus governos. Os governos é que deveriam ter medo das pessoas.”
“Com bastantes pessoas, explodir um edifício pode mudar o mundo.”
“Quero que cada homem, mulher e criança entenda o quão próximos estamos do caos.”
Cada cidadão é e deve considerar-se necessariamente um preso político.
E a Igreja e as igrejas louvavam o s(S?)enhor pela extinção da democracia, conforme os fundamentos de Pedro da santa diabólica hipocrisia.
Do Eclesiastes ou Pregador: 1,2 18: também eu aborreci todo o meu trabalho, em que trabalhei debaixo do sol, visto como eu havia de deixá-lo ao homem que viesse depois de mim.
19 E quem sabe se será sábio ou tolo? Contudo, ele se assenhoreará de todo o meu trabalho em que trabalhei, e em que me houve sabiamente debaixo do sol; também isto é vaidade.
20 Pelo que, eu me apliquei a fazer que o meu coração perdesse a esperança de todo o trabalho em que trabalhei debaixo do sol.
21 Porque há homem cujo trabalho é feito com sabedoria, e ciência, e destreza; contudo, a um homem que não trabalhou nele o deixará, como porção sua; também isto é vaidade e grande enfado.
A loucura é a causa de muitas desgraças, 9 10
4 Levantando-se contra ti o espírito do governador, não deixes o teu lugar, porque o acordo é um remédio que aquieta grandes pecados.
5 Ainda há um mal que vi debaixo do sol, como o erro que procede o governador.
6 Ao tolo, assentam-no em grandes alturas, mas os ricos estão assentados em lugar baixo.
7 Vi os servos a cavalo, e os príncipes que andavam a pé como servos sobre a terra.
8 Quem fizer uma cova cairá nela, e, quem romper um muro, uma cobra o morderá.
E do filme V. For Vendetta. 2005.
“As pessoas não devem ter medo dos seus governos. Os governos é que deveriam ter medo das pessoas. Os símbolos dão poder às pessoas. Mas sozinhos não valem nada. Com bastantes pessoas, explodir um edifício pode mudar o mundo. Uma coisa é certa em todos os governos. Os registos mais seguros são os pessoais. Com o poder da verdade, viverei e conquistarei o universo. Uma mente aberta pode mudar mais do que o curso de uma guerra. Pode mudar todo o curso da história da humanidade. Das quatro dúzias, mais de 75% estão agora mortos. Nenhuma reacção emergiu. Parece estranho que a minha vida acabe num lugar tão terrível. Mas durante três anos tive rosas e sem ter de pedir desculpas a ninguém… vou morrer aqui. Cada pedaço de mim perecerá. Cada pedaço menos um. Um pedaço. É pequeno e frágil. Mas é a única coisa no mundo que vale a pena. Não o posso perder nem desperdiçar. Não podemos permitir que nos roubem. Sejas tu quem fores, espero que possas escapar deste lugar. Espero que o mundo mude e que as coisas melhorem. Quero que este país se dê conta que estamos na era do esquecimento. Quero que cada homem, mulher e criança entenda o quão próximos estamos do caos. Quero que todos se lembrem porque precisam de nós. Mas o grande resultado do plano, o verdadeiro mestre era o medo. O medo foi o grande trunfo deste governo e a verdade é que outros políticos criaram o cargo do… recentemente nomeado Chanceler. Esta noite, quem protestar, ou quem instigar a revolução, servirá de exemplo. Há de tudo no Parlamento. Coisas que nunca tinha visto antes. Tanques, antiaéreas, infantaria… o que geralmente acontece quando as pessoas sem armas enfrentam pessoas com armas. Porque não morres? Debaixo desta máscara há uma ideia, Sr. Creedy. E as ideias são à prova de balas.”
A mana está na rua a vender cigarros, – que mais lhe resta? absolutamente nada, excepto a tenaz perseguição dos zeladores dos preços do petróleo -  chegam dois chineses que lhe perguntam pelos preços. Ela dá-lhos e eles não aceitam. Ela diz-lhes que podem ir procurar cigarros noutro lado. Eles conformam-se e apresentam o dinheiro. Ela olha-os bem no fundo dos seus olhos e nota-lhes um intenso olhar de ódio, como se fossem armas prontas para disparar, matar.
No palácio, o Rei do Petróleo presidia a mais uma interminável reunião do seu reinado. Eram reuniões intermináveis porque sempre acabavam com outras intermináveis comissões de inquérito e outras comissões criadas para o mesmo efeito. Claro que nunca se sabia, ninguém conhecia o seu fim. Ficavam como as contas sem contabilidade, isto é, nunca o Rei do Petróleo apresentou contas do seu quase cinquentenário mandato. Estavam como sempre presentes os generais, sempre os mesmos, porque na RCE só existia um trio de generais que pensavam, os outros bruxuleavam. Mas desta vez um elemento novo surgia na contenda. Tratava-se de um chinês com a farda do exército nacional patenteado de general. Logo que o Rei do Petróleo terminou o seu discurso, muito curto por sinal devido à imposição chinesa de não pactuar com essas coisas da pachorra africana. Inclusive o general chinês já tinha adiantado que os africanos da RCE falam muito, bebem muito, mentem muito, são muito preguiçosos, têm muitos óbitos, o que os impede de trabalhar, e que as empresas da RCE são uma grande merda, que não trabalham e não deixam ninguém trabalhar. Têm muita burocracia, muitas leis rígidas o que impossibilita que as empresas chinesas não estejam interessadas com elas colaborarem. E daí os chineses não mostrarem nenhum interesse no moribundo empresariado nacional. Está bem que os chineses nos seus acordos de cooperação com outros países não ligam à corrupção porque é coisa normal, mas na RCE a coisa é demais, anormal, e isso por incrível que pareça incomoda-os muito, então decidiram não dar abertas à classe corrupta, e daí o estar presente sempre um general chinês. Claro que ele não é nenhum general, mas pelas leis da RCE qualquer o pode ser, a julgar pelas notícias de alguns patenteados a generais sem nunca andarem pelo exército nacional. Enfim coisas da corrupção da RCE.

A orquestra do general chinês tocava música de embalar, de dominar, de ludibriar, para o Rei do Petróleo se deleitar. Sem dólares nada mais havia a esperar então era o tudo aos chineses entregar. Claro que a lixeira dos produtos chineses na RCE será de transbordar. Uma vizinha já se queixou de uma pasta de dentes que comprou aí num mercado ao ar livre, e quando começou a lavar os dentes sentiu a boca queimar, ficou com feridas. Aquilo parecia ácido. Ao fim de três dias já está com as feridas a desaparecerem. Na pasta de dentes Colgate estava lá o, fabricado na China. É melhor que isso não seja real. Se for, então há um plano para se desembaracem de nós.
Imagem: autor desconhecido.