terça-feira, 25 de setembro de 2012

AS CINCO MAGNÍFICAS (13) Contém cenas eventualmente chocantes




Assustei-me devido ao barulho da porta que fechou:
- Jandira, já te disse para não bateres com a porta, detesto barulho.
- Desculpa, é do vento, estou cansada, parece-me que estou com paludismo. Vou descansar na tua cama.
O telefone toca, é uma das suas amigas:
- Jandira! Telefone.
- Ai Meu Deus! Não me deixam em paz!
A conversa parecia não ter fim. Depois tornou a deitar-se. Meia hora depois gritam da porta:
- Jandira! Jandira!
Vou ao quarto, acordo-a levemente, docemente:
- Jandira estão-te a chamar.
- Sempre a chamarem-me. Fazem de mim uma criada. Com tanta gente em casa. Vou levar algumas gambas, fruta e gasosa.
Abraçou-me, beijou-me. Confidencia-me:
- Gosto tanto de ti. Quase que foste tu que me criaste e educaste. És mais que um pai para mim.
O seu comportamento mudou bruscamente. Quando me abraçava beijava-me nos lábios, e o seu corpo tremia descontrolado. Respirava fundo, e em voz baixa repetia:
- Gosto tanto de ti, gosto tanto de ti.
Aparecia com uma minissaia. Ao sentar-se abria demasiado as pernas, o que permitia ver a nudez do seu sexo. Sentia-me muito perturbado. Ela ficava encostada na porta da sala durante vários minutos a observar-me longamente. Depois de tomar banho circulava pela casa seminua. Cantava algo estranho, assim como um han, han,han,han interminável. Apenas com a toalha a cobrir-lhe metade do corpo, sentava-se e olhava-me fixamente.
Não estava preparado para tal situação. E não conseguia saber se resistiria muito tempo. Apenas sentia que tudo era perfeitamente natural. Afinal não era nada de extraordinário. As chuchas à mostra são tão vulgares que não nos transmitem algo de novo. Vou ao quarto e encontro uma surpresa. Jandira está completamente nua a mirar-se ao espelho. De braços bem levantados compõe o cabelo, o que faz com que os seus pequenos seios apareçam bem modelados, levantados à espera de carícias. Apenas observo:
- Porque não fechaste a porta?
- Ah George, já não existem segredos entre nós. Hoje é sábado, apetece-me ir à praia. Estás sempre aqui fechado, vamos divertir-nos um pouco. Vou preparar as coisas. Vamos à praia ouviu?
- Não me apetece sair. Prefiro a calma da minha casa, à agitação das praias. Do nunca sabermos o que nos vai acontecer. Depois um branco com uma negra trás sempre problemas a qualquer momento.
- George, és muito medroso. Apetece-me ir à praia, prepara-te, isto é uma ordem.
Estava consumado o assédio. Creio que é impossível resistir aos encantos de uma mulher. Elas são peritas nessa arte, e nós apenas amadores. Conseguem sempre o que querem. Na realidade não são o sexo fraco, são o sexo forte. Nós quando pensamos que conquistámos uma mulher, na verdade são elas que nos conquistam.
Ela preferia a Ilha de Luanda, mas fiz-lhe compreender que o ambiente não era adequado devido ao muito barulho e roubos constantes. Preferi o Morro dos Veados. Ela perguntou:
- Onde é isso? Nunca ouvi falar. Fica muito longe, não é? Eh, se calhar vamos ser raptados pela Unita.
Pessoalmente apreciava ficar neste local. Os mangais eram densos, ofereciam salutar vida às espécies marinhas. A água tinha o aspecto de uma das imensas ilhas do Pacifico. Havia mabangas por todo o lado. Apanhei algumas e comi-as cruas. Jandira sentiu-se horrorizada:
- Meu Deus! Comer assim isso com sangue? Tu és canibal!
- Experimenta e come também.
- Não, nunca conseguirei. Apetece-me vomitar.
- Não sabes como isto é bom para a saúde.
- Vocês os brancos tem hábitos muito estranhos.
Estávamos no período do cacimbo, e como era sábado raramente aparecia alguém. Nos domingos normalmente era costume surgirem mais pessoas. Mas o movimento era mais intenso nos dias de calor. Nos sábados pouco, aos domingos muito. Jandira seleccionou um dos meus calções e uma camisola para eu vestir. Tinha aprovisionado algumas sandes de queijo, cervejas, uma pequena garrafa com uísque, gasosa, gambas e água. Vestia-se com uma longa camisola que lhe chegava quase ao meio das pernas. Estava a contemplar a beleza dos mangais, ouvia-a gritar:
- George, queres uma cerveja?
- Sim, quero! Trás algo para comer!
Eram cerca de doze horas. O sol surgiu e começou a aquecer os nossos corpos. Como um mistério desvendado, toda a vegetação pareceu ganhar uma nova vida. Jandira insistia em fornecer-me cerveja, o que agora com o sol se tornava apetecível. Trouxe as gambas e deliciámo-nos com elas. Depois tirou a garrafa de uísque e ofereceu-ma:
- George bebe, quero ver-te muito alegre.
Jandira está algures nos densos mangais. Oiço a sua voz que parece agitada:
- George! George! George!
Pensei que ela estava em perigo. Rapidamente localizo o local em que se encontra. Quando me aproximo vejo o que parecia ser uma deusa no paraíso. Jandira está apenas com uma pequena folha de mangal a cobrir-lhe o sexo. Diz brincalhona:
- George, parecemos Adão e Eva no paraíso.
Não resisto. Ataco-lhe os pequenos mamilos rígidos, que quase os trinco. Ao mesmo tempo quase que lhe esmago as chuchas com as minhas mãos. Ela grita:
- Ai! George assim não estás-me a magoar. És muito bruto.
A sua rachinha estava completamente rapada. Desci e coloquei a minha língua no seu clítoris. Gemeu:
- Não, não me faças isso, não aguento.
Abandonou-me repentinamente e disse:
- Aqui não, pode aparecer alguém, vamos fazer em casa.
Vestiu-se e começou a arrumar as coisas, sinal de que íamos embora. Antes convidou-me para tomarmos banho o que concordei. Com a água acima da cintura, Jandira baixou-se e o seu corpo desapareceu momentaneamente. Abriu o meu calção e chupou o meu pénis até não poder mais. Reapareceu à superfície ávida por respirar. O sol desapareceu. Os nossos corpos molhados tremiam com o frio repentino. Junto ao carro Jandira seca-me o corpo amorosamente. Depois foi a minha vez. Exagerei quando passei a toalha na sua vagina. Jandira implora:
- Aqui não, já disse, vamos fazer em casa.
Pelo caminho Jandira mostra-se provocante. Enquanto conduzo mergulha o seu corpo pequeno no chão, e aproveita para me excitar com algumas chupadelas. Quando tento aproximar-me e apalpar-lhe as chuchas, sentencia:
- Aqui não, lá em casa. Vamos fazer como naquele filme que gosto muito, “As Delicias Africanas”.
Em casa estava ao rubro, Jandira previne-me:
- Vai-te lavar.
Volto, ela está nua no quarto. Olha-se de frente, de lado, atrás. O espelho mostra o seu corpo. Repete:
- Gosto tanto de ti.
- Eu também gosto muito de ti.
- Já tinha notado isso.

Imagem: calango74.blogspot.com