sábado, 11 de outubro de 2014

A oposição vai levar bofetadas





A mediocridade segue a violência
A democracia segue a sapiência
Em Roma sê romano
Em Angola sê corrupto, mano

E no mundo os tugas correm
Fogem, refugiam-se aqui
Ganham o seu dinheiro fácil
Com uma, com dupla
E terceira nacionalidade
São cidadãos do mundo
Sim! Cada um é cidadão
Nesta terra da podridão
É ver quem é mais ladrão
Na sua falsa profissão
E da sua douta inaptidão

E nesta ilha das sirenes desalmada
Onde ninguém sabe de nada
O dinheiro desaparece por magia
E sempre quem o faz se elogia

Os tugas chegam aos magotes
Neste Éden com os seus filhotes
Estão por sua conta e risco
Leais à corrupção, que petisco

Feras à solta para nos devorarem
O navio negreiro afundarem
Sulca o mar da corrupção
O navio Angola sem capitão

Civilização das mãos amarradas
E das cabeças decepadas
De terroristas localizados
E outros terrores legalizados

E a barulheira é uma grave tortura
Não dá pensar com gente burra
A paz já deu muitas oportunidades
Já se eliminou das prioridades

O dever é trabalhar para o povo
Edificar a pátria do homem novo
Com a democracia enterrada
Petróleo e dinheiro de enxurrada

A sede do petróleo não se sacia
Nesta insaciável plutocracia
E se do petróleo fores amigo
Tudo estará bem contigo

A oposição vai levar bofetadas
É mais um negócio, empreitadas
Com barras de ferro executadas
Sob o domínio das estrangeiradas