segunda-feira, 1 de junho de 2015

03Abr15. República das torturas, das milícias e das demolições



Diário da cidade dos leilões de escravos

03 de Abril
O ultraje não pára, das 10.16 até às 11.20 horas roubaram-nos a energia eléctrica.
“Esta é a costa de Creta. O seu governante fazia as leis e… as colocava num lugar tão alto, que ninguém conseguia ler. E, se infringissem as leis, ele era impiedoso.” In Júlio César, filme de 2014.
Um segurança contou que no Uíje uma criança sonhou que a sua povoação seria alagada pela água. Correu para a sua mãe e contou-lhe o sonho. A mão acreditou nele e avisou a vizinhança para bazarem. Mas ninguém lhe ligou, porque isso de acreditar nos sonhos de crianças é tempo perdido. A mãe e a sua família bazaram, da inundação escaparam. Quando o segurança saiu de lá a povoação continuava inundada.
O mano Felisberto era segurança, chegou e o evangelho pregou. O seu espírito era muito iluminado por Deus. Evangelizava, os vizinhos conquistava. Oferecia-se gratuitamente para carregar a água dos vizinhos. Depressa foi endeusado como um anjo que caiu do céu. Recitava de memória vários trechos bíblicos. Muito educado, muito inteligente, muito simpático, rápido passou a pessoa de grande estimação. Não bebia e tinha horror a quem o fazia, confessava fervoroso. Com a confiança ganha fazia empréstimos que depois se comprometia a pagar quando recebesse o seu salário. Quando saía do serviço ia pintar um apartamento no prédio ao lado, onde recebeu grossa compensação pelo trabalho prestado, e quantidade considerável de bebida, pois nesse dia festejava o seu aniversário, do qual houve generosa contribuição da vizinhança. O mano Felisberto estava encharcado de massa nos bolsos e de álcool também logo se encharcou. Ficou três dias sem comparecer ao serviço porque os vapores alcoólicos eram demasiados. Quando apareceu ao serviço foi a uma vizinha e disse que outra vizinha lhe mandou um empréstimo de cinco mil kwanzas. Claro que não era verdade, logo foi descoberto e a vizinha exigiu-lhe que lhe devolvesse de imediato o dinheiro. Entrou no reino da bebedeira e dele não queria sair, lá encontrou finalmente a felicidade. Perdeu-se nos infernais labirintos da vida. Apareceu duas ou três vezes e depois nunca mais se viu, com a vergonha fugiu, e as dividas não pagou. Os caminhos de Deus são assim, levam-nos ao infortúnio.
Rádio Despertar, noticiário das dezasseis horas: no Lubango, salvo erro, dois jovens motociclistas foram alvejados a tiro por agentes da Polícia nacional. Estão hospitalizados em estado grave.
04 de Abril
Há uns dois ou três meses, os tugas em Benguela a convite do governador já são militantes destacados do Mpla. E a epidemia política dá a entender que atingiu todos os portugueses em Angola, que pelos vistos são a continuação da revolução.
Onde até um general tem poder de vida e de morte sobre as populações.
Os portugueses em Angola ou os portugueses nas riquezas de Angola?
E quando um soberano está aconselhado por víboras e jacarés, os seus súbditos correm o risco permanente de levaram um tiro na cabeça.
Porque será que os portugueses apenas investem no curto prazo inviabilizando o seu futuro? Porque viver o dia de hoje é muito fácil, mas pensar no dia de amanhã é muito difícil.
05 de Abril
Desejo sinceramente que não nos deixemos arrastar pela barbárie – que como chamas – devora África, Angola. Pelos sulcos visíveis deixados no deambular sem nexo das suas picadas, também se deixará consumir pelos ventos trágicos que nos açoitam. Novos tempos, velhas desgraças para Angola.
Angola é uma selva densamente povoada por aventureiros caçadores de cabeças, que vindos do desemprego e da miséria anunciam que querem para morada um apartamento de renda mensal de cinco mil dólares.
A Rádio FM Stéreo também no Lubango e a Rádio Ecclesia só em Luanda. Porque há dois países, um é Luanda e o outro é Angola.
06 de Abril
Mais um golpe da quadrilha da energia eléctrica. Roubaram-nos a luz das 14.41, até às 15.00, e das 15.20 às 16.57 horas.
Há homens que se convencem que quando nascem são eternos, nunca morrem. Estes são os homens que desgraçam as suas nações e as suas populações.
Por incrível que pareça ainda é possível nestes tempos modernos alguém conduzir um país para a Idade Média.
Ainda mais esta: há muitos mwangolés que quando batem nos seus filhos, batem-lhes, batem-lhes, até ficarem mutilados ou mortos. Com esta selvajaria também não adianta construir nação.
Se um governo aposta forte no analfabetismo da sua população, como é que lhe pede que: «O êxito desta medida só sortirá efeito com o auxílio da população.» Alguém já viu um paraíso sem energia eléctrica? Só mesmo nesta banda de Luanda, não é?!
07 de Abril
A diferença que há entre o futebol e a religião, é que na religião aplaudem-se imagens sem vida, e no futebol ora-se a jogadores, santos vivos.
Um mwangolé proprietário de uma empresa e filho de um general, sem vocação para empresário, engravidou duas mulheres e foi com elas para Portugal, para elas lá darem à luz, e os trabalhadores ficaram sem vencimentos. O dinheiro deste petróleo é muito inspirador, não é?!
Um jovem mwangolé armado com um cão pitbull vai pela rua muito seguro, porque o seu cão amedronta, mata quem dele se aproximar. E se destroçar uma, ou mais crianças? Para ele será uma façanha, pois nesta cidade quem comete crimes é considerado um herói – antes era do trabalho – do crime.
Milhões de dólares para serem lavados em Portugal. Um regime corrupto lava o outro.
08 de Abril
11.27 horas, a energia eléctrica desapareceu… para a China?
Quem quiser aprender como se destrói um país, basta falar com o Mpla – ele tem cursos bastante desenvolvidos sobre isso – pois em experiencia não existe pior.
Se os portugueses não conseguem desenvolver Portugal, e mal chegados aqui logo são peremptórios que Angola se está a desenvolver. É caso para dizer: sem eles que seria de Angola.
Angola não tem energia eléctrica – a que tem é só para o Natal, ano-novo e carnaval.
09 de Abril
Continuamos às escuras, sem energia eléctrica, abandonados na mata do Mpla.
Filhos de portugueses residentes em Angola estão a fugir de Portugal para Angola. A justificação é que metade do salário vai para os desempregados.
Mas que porra de Mpla é este que não me consegue acender uma lâmpada e de me garantir uma merda de uma cerveja fresca? Continua um desastre comprar carne, peixe e outros congeláveis para pôr na arca congeladora. Quando conseguiremos? Isto inté parece outro estado islâmico. O Mpla é o petróleo e o petróleo é o Mpla.
10 de Abril
Mas afinal para que serve a energia eléctrica? Aqui não serve para nada, e duvido muito que esta governação saiba o que é isso. Continuamos às escuras.
O vizinho indiano iniciou a sua oração às 06.25. Creio que reza para o prédio, pois o barulho escuta-se em todo o lado. Ele não está a rezar, está a gritar.
11 de Abril
A energia eléctrica foi restabelecida às 15.34 horas. Para esta gente miséria é desenvolvimento.
Seis horas da manhã, o vizinho indiano reza, barulhento, fica como um despertador.
Um dos aspectos fundamentais de uma ditadura são os constantes cortes de energia eléctrica, para que todos dependam da imposição da miséria e da fome.