quinta-feira, 18 de junho de 2015

12 de Abril 15. República das torturas, das milícias e das demolições



Diário da cidade dos leilões de escravos

12 de Abril
Esta terra é de quem a rouba.
E tudo este estado islâmico nos decapitou.
O fumo da quadrilha bancária do gerador do banco miillennium decapita os nossos pulmões.
Segundo a Rádio Despertar, os moradores que estavam na Chicala, (e abandonados para aí) a fome é tanta que para sobreviverem comem cobras e lagartos.
Em Cabinda, a prospecção de metais preciosos está entregue ao garimpo internacional.
O que faziam os cinco chineses acompanhados por forças policiais e militares na espoliação das terras da Unaca, a associação dos camponeses de Angola? O poder eterno vendeu Angola aos chineses?
“Todo o acordo que o Mpla assinou, nenhum funcionou. O Mpla nunca os cumpriu.” Presidente do Pdp-Ana, na Rádio Despertar.
No dia 3 de Abril, na obra do general Ledi nas traseiras da Pomobel junto ao Zé Pirão, um jovem angolano estava a dormir no cimo de uma parede interior em construção. Um chinês chega junto dele com um tubo de ferro e berra-lhe ameaçador fazendo gestos que vai bater-lhe. O jovem angolano sai de cima do muro e não lhe dá patavina, pois agora – continua - só vale o trabalho escravo. Um chinês também estava na sorna, mas não foi enxovalhado.
Cerca das doze horas, no hotel da rua Rei Katiavala junto ao Zé Pirão, que alguns dizem pertencer ao governador do BNA, José Pedro de Morais e outros a Isabel dos Santos, os mwangolés ficaram colados ao chão. Era um exército de chineses escoltados por angolanos que para lá se dirigiam. Os comentários não faltaram, como: Tanto chinês para quê, isso não é muito suspeito? Então, não temos ninguém que faça o trabalho que eles vêm fazer?”
Um estranho telefonema: às 20.26 horas do dia 3 de Abril atendo o telefone e recebo o seguinte alerta: “Tu não és o Hélder?, moras no quilómetro trinta? Amanhã vais estar sem casa!”
13 de Abril
Das 08.22 até às 17.12 horas tivemos mais um massacre da energia eléctrica.
Amigo leitor, quer ver o seu cérebro confuso?, então faça o seguinte: Quando se deitar, enrole os pés e pouco tempo depois mexa os dedos de um deles. O seu cérebro não consegue saber qual deles se mexeu, se o esquerdo ou o direito.
Primeira vítima, uma criança de dois anos apanhou pneumonia, a sua mãe também se sente mal. Queixou-se, mas não deu em nada porque estamos reféns de terroristas. A revolta é necessária. Em Luanda desde as 07.40, de 10 de Março que o gerador do banco millennium, na Rua Rei Katyavala – o banco da morte – trabalha dia e noite. A energia eléctrica não falta. Vivemos com janelas e portas cerradas. No dia 13 de Março, três mercenários portugueses ao serviço do crime organizado estiveram no local e aprovaram o massacre.
14 de Abril
Mais massacre da energia eléctrica, das 13.41 até às 23.41 horas.
Às oito horas, a temperatura estava a 23.5 graus. O cacimbo já está aqui? Não há dúvidas que o clima também está corrompido.
15 de Abril
Outra vez massacrados pela energia eléctrica das 08.46 até às 09.06, e das 12.43 até às 23.34 horas.
As empresas de recolha do lixo em Luanda vai para um ano que não recebem pelos serviços prestados. Os trabalhadores também estão sem salários. A paralisação da recolha do lixo está iminente, dizem. O governador da província de Luanda apelou ao patriotismo e acrescentou que vivemos momentos muito difíceis e que os munícipes urbanos pagarão a recolha do lixo mediante a cobrança de uma taxa.
16 de Abril
Das 09.17 até às 09.32 e das 21.42 até às 22.01 horas, a energia eléctrica foi não se sabe para onde.
16.45 horas do dia 06 de Abril, Rádio Despertar. De um jovem algures num hospital de Luanda: “Digam ao meu amigo para me enviar comida. O hospital não tem ligaduras, não tem comprimidos para as dores. Deus abandonou Angola.”
17 de Abril
A partir da meia-noite só circulam os carros dos espíritos.
A meio da manhã lá foi a mana Antónia outra vez com as suas filhas que sofrem de células falciformes para o hospital.
18 de Abril
Agostinho Neto disse: “Temos que arrancar o poder pela força”. Citação do general Silva Mateus na Rádio Despertar.
Isto é anedótico, próprio da tragicomédia angolana: Aqui na banda todos os anos o cabo da energia eléctrica da rua queima e ficamos dois, três, quatro dias sem a tal luz. É típico desta tragicomédia: Um palácio, uma estrada asfaltada, uma guarda presidencial, uma banda para tocar o hino, uso exclusivo do erário público, e muito, muito mais.
19 de Abril
O polícia de trânsito está a vigiar os condutores que circulam no posto montado na rua Rei Katyavala, e de vez em quando manda parar um. Faz sinal a um jovem de motorizada para parar, ele pára e grita-lhe: “Deixa-me em paz! Vai para a cona da tua mãe!!!” e logo de seguida arranca em grande velocidade. Quinze minutos depois um jovem condutor é sinalizado para parar o seu carro, o que ele faz. E num colossal grito: “Deixa-me em paz! Vou-te mandar para o inferno! Deixa-me em paz! E também logo em seguida arranca a toda a pressa. 
20 de Abril
“Nós fomos formados analfabetos e os nossos filhos seguem o mesmo caminho.” (De um ex-militar na Rádio Despertar, referindo-se à manifestação programada para o próximo dia dois de Maio em Luanda.)
21 de Abril
Das 10.18 até às 11.04 horas a energia eléctrica desligou-se.
Hoje massacraram a água. Alguém a viu por aí?
22 de Abril
Sob o olhar de cobiça e cumplicidade, Portugal, China, Brasil e outros cúmplices, o genocídio do povo angolano arrancou em grande força. É isto o tal registo eleitoral oficioso. No massacre do Huambo há festa da seita estalinista que nos governa.
Há homens que nascem para engrandecer as suas pátrias e os seus povos rejubilam. Há demónios que nascem no inferno e fazem das suas pátrias e dos seus povos o pasto das chamas. Como a teimosia de um homem que arrasta Angola para as chamas do inferno e nelas também perecer.
Francisco Lopes
Se se confirma que mais de 700 cristãos foram assassinados e enterrados em valas comuns nos últimos cinco dias em Angola, podemos assegurar que o processo de transição para a democracia em Angola terminou!
Raul Tati
Acabo de receber informações alarmantes neste sentido. Não consigo acreditar. Até que as coisas sejam esclarecidas prefiro ainda o benefício da dúvida. Se se confirmar este dado, então direi que começou o fim do regime.
Setas António
“Eu tenho a impressão, Francisco Lopes que, sendo verdade, o que se anuncia é o fim desta ditadura. Só pode! Porque se não for assim, com que cara de palhaço vamos reivindicar a nossa qualidade de cúmplices destes assassinos, não os do Kalupeteka, os outros... e aqui entre nós, é mesmo verdade.”

O ouro está a 1.202.90, o petróleo Brent a 62.08 e o Texas a 55.26 dólares. Continuamos a patinar sem alternativas.